Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 16-10-2019 às 04:08

34ª Bienal une instituições culturais da cidade

Projeto curatorial promove exposições no pavilhão da Bienal a partir de março de 2020, além de mostras resultantes de colaborações com espaços culturais de São Paulo

Ao propor uma rede de conexões culturais, a 34ª Bienal propõe reforçar o papel articulador que a Bienal de São Paulo historicamente desempenhou no panorama brasileiro | Creditos: Divulgação

Apontado pela Fundação Bienal para assumir a curadoria da 34ª Bienal de São Paulo, Jacopo Crivelli Visconti foi selecionado com um projeto que propõe estruturar a mostra a partir do conceito de “relação”. Livremente inspirada pelas reflexões de pensadores como Édouard Glissant (Sainte-Marie, Martinica, 1928 – Paris, 2011), que tem como um dos pontos centrais de sua filosofia a Poética da relação (título do livro por ele publicado em 1990), e pelas análises da visão de mundo ameríndia desenvolvidas nas últimas décadas por Eduardo Viveiros de Castro (Rio de Janeiro, 1951), a 34ª Bienal afirma ser preciso abandonar as visões fechadas e monolíticas para abrir-se à multiplicidade de relações possíveis e em constante evolução.

“No Brasil e no mundo de hoje, polarizados, divididos e cada vez mais fechados ao outro e ao diálogo, essas lições se tornam urgentes e necessárias”, afirma Crivelli Visconti, que convidou Paulo Miyada (curador-adjunto), Carla Zaccagnini, Francesco Stocchi e Ruth Estévez (curadores convidados) para compor sua equipe. “A 34ª Bienal enfatiza o potencial da arte como resiliência, reinvenção, repetição, tradução e opacidade. Nesse sentido, o projeto quer reivindicar o direito à complexidade e à ambivalência das expressões da arte e da cultura, assim como das identidades dos sujeitos e grupos sociais, oferecendo alternativas ao antagonismo exacerbado que tem caracterizado a arena política e social nos últimos anos. Mais do que atrelada a um tema, tese ou discurso único, a 34ª Bienal se articula a partir das múltiplas relações que se instauram entre questões artísticas, temáticas, conceituais e institucionais num evento desse porte”, completa o curador.

Para problematizar de fato e a fundo a questão proposta, a 34ª Bienal irá operar de maneira inovadora: no tempo, a Bienal se expandirá ao longo de 2020, com exposições individuais e eventos realizados no Pavilhão Ciccillo Matarazzo entre março e agosto; no espaço, ela abraçará a cidade, com mostras realizadas entre setembro e dezembro em parceria com dezenas de instituições culturais paulistanas. Obras dos artistas que integram essas exposições serão mostradas, simultaneamente, no Pavilhão da Bienal, convidando o público ao exercício de perceber as obras a partir das distintas relações que elas estabelecem numa exposição individual e numa coletiva de grande porte como a Bienal.

 

Tempo, superfície e profundidade

A fim de possibilitar o estabelecimento de uma ampla gama de relações, nos mais diferentes níveis, a 34ª Bienal será articulada ao redor de três eixos principais: tempo, superfície e profundidade. Esses vetores dizem respeito ao movimento da mostra, tanto do ponto de vista institucional quanto da relação entre as obras e com o público.

O começo efetivo da 34ª Bienal se dará em março de 2020, com a realização da primeira de três exposições individuais, que irão ocupar áreas específicas do Pavilhão da Bienal, antes de confluir, em outras configurações, na exposição maior, onde poderão ser vistas e lidas a partir de outras relações. Essas mostras serão produzidas e curadas em colaboração com instituições internacionais, que as receberão em sua programação a partir de 2021. Adicionalmente, três eventos de curta duração e de caráter mais performático também estão previstos para o período entre março e agosto de 2020.

No âmbito espacial, a 34ª Bienal também irá se transformar. Num primeiro momento, a área da exposição será apenas a da superfície ocupada, dentro do Pavilhão da Bienal, por cada uma das mostras, até o edifício estar inteiramente tomado a partir de setembro, quando a Bienal irá também se expandir a outras instituições culturais da cidade. A colaboração com outros espaços culturais paulistanos responde ao desejo de instaurar um diálogo que enfatize a importância das trocas e das relações que se constroem em conjunto, estratégias centrais para o projeto, que também andam lado a lado com o movimento de articulação e abertura à cidade conduzido pela Fundação Bienal nos últimos anos, reflexo do incessante questionamento da instituição sobre seu próprio papel no âmbito de um panorama artístico em constante transformação, que a Bienal em larga medida contribuiu para constituir.

Finalmente, no que diz respeito à profundidade, a 34ª Bienal se articula inicialmente ao redor de afirmações aprofundadas, para se abrir ao diálogo e à relação num segundo momento. “Os primeiros episódios da Bienal, constituídos por exposições individuais, podem ser considerados afirmações. Paulatinamente, conforme o prédio for ocupado, essas exposições começarão a ser colocadas em relação com outras obras e outras reflexões, tornando-se parte de uma discussão mais complexa e articulada que, em seu estágio final, se expandirá à cidade”, explica o curador. Essas colaborações serão detalhadas em diálogo próximo de cada instituição com o curador e sua equipe.

 

Uma Bienal que abraça São Paulo

Ao propor uma rede de conexões culturais, a 34ª Bienal propõe reforçar o papel articulador que a Bienal de São Paulo historicamente desempenhou no panorama brasileiro, levando em conta o cenário atual e as especificidades e a diversidade das instituições locais, com as quais a Fundação Bienal busca se relacionar de maneira inédita. Há, assim, um encontro entre proposta curatorial e vocação institucional da Fundação, essencial para a realização do projeto.

“A Fundação Bienal inicia agora um ciclo em que se abre para o mundo e aprofunda os vínculos que vem estabelecendo com a cidade nos últimos anos. Com uma proposta que busca unir a todos em torno de um projeto comum, a 34ª Bienal marca um momento de afirmação da instituição”, afirma José Olympio da Veiga Pereira, presidente da Fundação Bienal de São Paulo.

A 34ª Bienal busca, por meio do engajamento dessa rede e de sua composição multifacetada, apresentar uma visão plural e em transformação da produção artística contemporânea e do momento que vivemos.

 

34ª Bienal de São Paulo
A partir de março de 2020
Curador geral: Jacopo Crivelli Visconti
Curador-adjunto: Paulo Miyada
Curadores convidados: Carla Zaccagnini, Francesco Stocchi e Ruth Estévez

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.