Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 20-07-2019 às 09:34

Diagnóstico precoce auxilia pets com doença renal

Veterinário explica a importância de detectar cedo o problema, que atinge grande parte de cães e gatos mais velhos

Leve-o a visitas regulares ao veterinário. | Creditos: PixaBay

A doença renal é uma das principais causas de morte de pets, principalmente entre os mais idosos. Quando o problema se torna crônico, não tem cura, mas o diagnóstico precoce pode proporcionar melhor qualidade de vida para os cães e gatos. “Por isso, as visitas periódicas ao veterinário são a melhor forma de detectar precocemente e de ter um bom resultado no tratamento”, explica o especialista em nefrologia do Centro Veterinário Seres, Anderson Yukio Calazans Yogi, do grupo Petz.

A doença pode ser controlada se for diagnosticada o quanto antes, por meio de exames de sangue, urina e de imagens, para evitar o comprometimento cardiovascular, esquelético, neurológico, hematopoiético e digestivo. A partir dos seis anos de idade, a indicação é que cães e gatos façam exames anualmente.

“A medicina preventiva está evoluindo bastante. Novos exames, como o SDMA, que detecta o problema em sua fase inicial com precisão, devem acompanhar os check-ups regularmente. Com o aumento da expectativa de vida, essas doenças estão mais frequentes, com prevalência maior em gatos.”, afirma o veterinário.

 

O que é:

Nas doenças renais, os rins não conseguem exercer funções, como evitar a perda excessiva de água, manter o equilíbrio entre ácidos e bases e excretar compostos nitrogenados que resultam do metabolismo. Com isso, a tendência é a desidratação e o acúmulo, no sangue, de ácidos e de moléculas que deveriam ser excretados na urina, como a ureia e a creatinina.

As causas podem ser as mais diversas: infecções, inflamações, presença de parasitas, traumas, intoxicações, doenças autoimunes, congênitas ou hereditárias, entre outras

 

Os sinais

A dica é observar a rotina dos pets. Os principais sinais são aumento da ingestão de água, aumento ou diminuição do volume de urina, urina clara, cansaço, fraqueza e prostração, hálito forte, falta de apetite e emagrecimento, dificuldade para urinar, vômito e alteração na coloração e consistência das fezes.

 

Tratamento

Não existe cura para a doença renal crônica, mas sim o controle da sua progressão. O tratamento, em alguns casos, é feito com utilização de fluidoterapia, controle do desequilíbrio eletrolítico e ácido-base, de alterações hormonais, da hipertensão e com dieta adequada.

Algumas raças são mais propensas à doença renal crônica familial como beagle, cocker, lhasa apso, shih tzu, maltês, schnauzer e sharpei. Em gatos, maine coon, abissinio, siamês, russian blue e persa são mais suscetíveis.

 

Prevenção

1 - Ofereça dieta rica e balanceada, com rações superpremium específicas para a idade e o porte do pet.

2 - Deixe sempre água limpa e fresca à disposição do animal.

3 - Incentive exercícios físicos e brinque com ele sempre que possível.

4 - Faça o controle de pulgas e carrapatos.

5 - Mantenha a carteira de vacinação do pet em dia.

6 - Leve-o a visitas regulares ao veterinário.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.