Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 19-08-2019 às 05:44

Dança para elevar a autoestima e combater depressão

De acordo com professora, é cada vez mais comum a procura de pacientes em tratamento clínico buscarem essa dança como aliada para se livrar da depressão

Shalimar Mattar, professora e pesquisadora | Creditos: Jay Fotografia

O famoso dito popular “quem dança seus males espanta” faz todo o sentido no combate à depressão. A dança do ventre, por exemplo, conduz a mulher pelo caminho do autoconhecimento, ampliando a consciência de si mesma e consequentemente contribuindo com a elevação da autoestima e da confiança. Traz também diversos benefícios à saúde, por trabalhar todas as partes do corpo, da ponta dos pés ao topo da cabeça, o que exige um bom trabalho postural e de equilíbrio.

Segundo Shalimar Mattar, pesquisadora de danças do feminino e autora do livro ‘Círculo Mulher - O Movimento do Feminino ao Longo da Vida’, aos poucos a mulher que pratica a dança do ventre se redescobre ou se reconecta com o seu poder interior, com a sua energia, e assim aprende a melhor maneira de permitir que essas descobertas passem a conduzir sua vida desse momento em diante.

“A dança do ventre também massageia os órgãos internos e colabora com a coordenação e agilidade. Atua no desenvolvimento dos sentidos, fortalece a feminilidade e combate o stress. Além disso, as aulas são, na maioria das vezes, em grupos, o que possibilita um convívio social com mulheres que buscam os mesmos objetivos. Desta forma, todas se sentem livres para exteriorizar seus sentimentos e pensamentos, e se entregam às aulas, proporcionando mais alegria e satisfação”, diz a especialista, que dirige o Estúdio Shalimar Danças em São Paulo, e também organiza anualmente o maior festival de danças orientais do mundo – o Mercado Persa, que acontece sempre no mês de abril na capital paulista.

O acolhimento de quem pretende dançar para se livrar da depressão acontece já no primeiro dia de aula. “Sempre com muito carinho e respeito pela individualidade. Os grupos valorizam as características pessoais e objetivos de cada aluna. Em uma mesma sala de aula você pode ter alunas com as mais diferentes características, mas todas são mulheres em busca da felicidade e equilíbrio interior - e esse é o foco!”, esclarece Shalimar, que é professora, coreógrafa e bailarina de dança do ventre há mais de 25 anos.

De acordo com a professora, devido a depressão ser um mal do século, é cada vez mais comum a procura de pacientes em tratamento clínico buscarem essa dança como aliada para ajudar na cura da doença. “Recebemos mulheres na escola com essa indicação, e o mais interessante é que a maioria quer continuar praticando mesmo após superarem a depressão”, explica.

E se engana que a dança do ventre é mais procurada só por mulheres mais novas. Qualquer pessoa que esteja em boas condições de saúde e com liberação médica, pode praticar independentemente da idade. A prática é altamente recomendada na terceira idade e a busca desse público por aulas é crescente.

Já as mulheres mais tímidas e que se sentem inseguras com o corpo, não tem desculpa para deixar de praticar, pois podem escolher os figurinos que mais combinam com o seu estilo. “A dança do ventre, provavelmente, é um dos estilos de dança que possui a maior variedade de modelos de figurinos e acessórios. Caso a mulher não queira mostrar as pernas, ela pode dançar com saia longa e fechada. Quer esconder os braços? Também pode cobrir com enfeites, mangas e luvas. Não quer decotes? Ok. Quer cobrir a barriga? Também tem alternativas. Enfim, é uma dança extremamente rica e muito democrática. Pode usar calças, macacão, camiseta, top, o que preferir”, finaliza Shalimar.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.