Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 19-05-2019 às 02:36

Edna Affi e Dineva Vanuzzi, contribuições para a educação e movimentos sociais

Duas representantes da Mostra Cultural: 300 Mulheres - Letras, História e Equidade, projeto da Academia Mato-grossense de Letras, coordenado pela juíza Amini Haddad, membro da cadeira 39 da AML.

Carla Patrícia e Edna Maria duas importantes personalidades de Cuiabá | Creditos: Divulgação/arquivo Projeto 300 Mulheres

Nesta edição serão enfocadas duas personalidades femininas que fazem parte da Mostra Cultural: 300 Mulheres - Letras, História e Equidade, projeto da Academia Mato-grossense de Letras, coordenado pela juíza Amini Haddad, membro da cadeira 39. A primeira é  Edna Maria Albuquerque Affi, que deu grande para a cultura, a segunda, Dineva Vanuzzi, uma pioneira nas atividades com menores de rua. Leia o resumo de suas histórias.

EDNA MARIA ALBUQUERQUE AFFI

Nasceu em Cuiabá/MT(28/04/1926). Faleceu em 21/05/2003. Exerceu a função de presidente do Conselho Estadual de Educação, por várias vezes, com grande contribuição para o desenvolvimento cultural e educacional de Cuiabá. Foi uma das fundadoras da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cuiabá (atual UFMT), atuando como professora de Língua e Literatura Francesa (1966 a 1991).Foi a 1ª mulher diretora geral da antiga Escola Técnica Federal de Mato Grosso,tendo idealizado o primeiro uniforme. Ainda, inaugurou o Anfiteatro Prof. Hélio de Souza Vieira, dando um grande impulso às artes cênicas e festivais de cançãoda capital.

(Informações: Sala de Memórias do Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia de Cuiabá).

DINEVA VANUZZI

Nascida, em 1937, em Selbach (RS). Faleceu, em 02/11/2010, em Porto Alegre (RS). Foi professora adjunta da Universidade Federal de Mato Grosso (1981/1991). Trabalhou com a Equipe Pastoral da Prelazia de São Félix (Araguaia). Foi uma das fundadoras da Congregação das Irmãzinhas da Imaculada Conceição, em Cuiabá. Coordenou o Fundo Estadual de Educação. Foi, também, fundadora do Movimento Meninos e Meninas de Rua (1983) e da Casa do Porto, que abrigavaParticipou da organização e fortalecimento de diversos movimentos sociais de Cuiabá, sendo pioneira nas atividades com menores de rua. crianças. Lutou pelos direitos humanos das crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. (Informações: Assembleia Legislativa de Mato Grosso, Revista história de Nossa Gente. Mulheres fazendo a história).

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.