Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 25-04-2019 às 03:49

Como nasce uma memória traumática?

Especialista em saúde integrativa e que trabalha com tratamentos que buscam eliminar as memórias traumáticas que causam dores e doenças explica como se cria uma memória traumática e porque ela pode ser tão silenciosa.

O corpo recebe um estímulo agressivo, que pode ser físico, emocional ou mesmo medicamentoso. | Creditos: Divulgação

Muitas das nossas dores e doenças crônicas são geradas por memórias traumáticas, emocionais ou mesmo físicas, que acabam acumuladas em células e tecidos do corpo. Com a Microfisioterapia, técnica utilizada pela fisioterapeuta Frésia Sa, é possível encontrar essas memórias e trata-las, eliminando, consequentemente, as causas primárias dessas dores. Mas o que são exatamente essas memórias traumáticas? A Dra Frésia explica, passo a passo:

  1. O corpo recebe um estímulo agressivo, que pode ser físico, emocional ou mesmo medicamentoso;
  2. Se esse estímulo estiver acima da capacidade de absorção do organismo, pode ser gerado um trauma;
  3. Além das memórias cerebrais, o trauma também pode se instalar, em forma de memórias, nas células corporais;
  4. As células que carregam os traumas têm suas funções prejudicadas, como se tivessem sido machucadas;
  5. Os tecidos impregnados de memória acabam perdendo vitalidade ou ritmo, o que pode ser percebido pela aplicação da Microfisioterapia.

“Esse caminho físico da construção de uma memória traumática foi estudado por Daniel Grosjean e Patrice Benini e foi a base para a criação de uma técnica que encontrasse o local onde as células e os tecidos prejudicados estão e avisasse o corpo de que ele já não precisa dessas informações”, explica Frésia. O resultado do tratamento realizado pela fisioterapeuta é a troca de tecidos com traumas por tecidos regenerados e é o próprio corpo que realiza essa transição, por meio da auto reparação.

 

E por que é tão difícil detectar essas memórias traumáticas?

“Porque elas não estão exatamente no local onde a dor ou o desconforto é percebido”, revela a fisioterapeuta. Isso significa que células de um local do corpo podem agir causando dor em outro local, por uma questão de estímulo. Por isso, a Microfisioterapia utiliza um mapa, que indica onde estão determinadas memórias: “pelo comportamento e pela resposta do tecido, é possível entender o tipo de trauma e há quanto tempo está li”, explica Frésia.

“Temos casos de traumas intrauterinos que foram detectados pela Microfisioterapia”, lembra a especialista. Segundo ela, essa “genética” da memória traumática, ou seja, entender como ela se forma e como estaciona em um determinado local do corpo humano, é fundamental para encontrar as causas e promover um tratamento ostensivo: “por isso falamos em saúde integrativa: a ideia é levar a um entendimento total de tudo que pode estar relacionado a uma determinada doença ou dor crônica. E encontrar os melhores tratamentos para chegar o mais perto possível da reabilitação”, finaliza.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.