Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 23-04-2019 às 00:07

Dicas para se organizar e sair do vermelho

O primeiro trimestre do ano está quase chegando ao fim e tem muita gente com dívidas atrasadas ou gastando mais do que ganha, o que prejudica o orçamento e pode levar à inadimplência

Feito o orçamento, verifique se há alguma sobra de dinheiro para pagar os débitos em atraso. | Creditos: PixaBay

Se você faz parte daquele grupo de brasileiros que começou o ano endividado, e que ainda está com o orçamento apertado porque teve de encarar as habituais despesas de início de ano, como IPTU, IPVA, mensalidade e material escolar, só para listar algumas, a Boa Vista tem algumas dicas que podem ajudá-lo a sair do vermelho. A ideia é que com planejamento e organização, consiga deixar as finanças mais equilibradas, e chegar ao fim de 2019 no azul! 
 

Por onde começar?

Você sabe o tamanho da sua dívida? Ou seja, sabe o quanto deve e para quais empresas deve? Para que possa responder com certeza a essas perguntas acesse o portal Consumidor Positivo – www.consumidorpositivo.com.br, da Boa Vista. Com um cadastro simples e rápido você conseguirá identificar o tamanho da sua dívida e ainda consultar o seu score (pontuação de crédito). 

Feito isso, e antes ainda de procurar a empresa credora, ou seja, é preciso checar o orçamento doméstico. Neste caso, se você também precisa de ajuda para calcular o que entra e o que sai no caixa de sua família, para saber como está de fato a sua finança, baixe a “Cartilha do Orçamento Doméstico”, também disponível no portal Consumidor Positivo, faça as contas e a planeje financeiramente.

Feito o orçamento, verifique se há alguma sobra de dinheiro para pagar os débitos em atraso. Se todo o dinheiro que entra já está comprometido, é preciso rever as despesas mensais e analisar o que pode ser reduzido ou até mesmo cortado. O ideal é que as despesas fixas comprometam até 70% do orçamento mensal. As despesas fixas são aquelas que chegam todo mês em casa, como conta de luz, água, escola, aluguel, alimentação (incluindo supermercado e comer fora de casa), saúde e transporte.

De posse dessas informações você pode então buscar uma negociação diretamente com o credor, sem qualquer tipo de intermediário. Lembre-se: da mesma forma que está buscando uma opção para sair do vermelho o credor também está interessado em receber. 


Dívida caduca?

Não é porque se passaram cinco anos do vencimento da dívida que ela simplesmente desaparece. Depois desse tempo, a dívida não fica mais visível para o mercado, mas ela ainda existe e pode continuar a ser cobrada pelo credor.


O que é prescrição de dívida?

É a perda de direito de uma empresa de cobrar a dívida judicialmente. Ela pode continuar fazendo a cobrança por outros meios, não por cobrança judicial.

Os prazos de prescrição (ou caducar) de uma dívida são determinados pelo Código Civil (artigo 206). Estes prazos são diferentes com o que determina o Código de Defesa do Consumidor – CDC. A lei do CDC trata sobre o tempo em que um CPF pode ter apontamento – a conhecida negativação – nos cadastros de crédito (máximo de cinco anos). Já o Código Civil, considera o tempo em que uma dívida pode ser cobrada judicialmente (cada dívida tem um prazo diferente).

Por exemplo, boletos bancários, cartão de crédito, financiamentos e plano de saúde e serviços públicos, como água, luz e telefone, só podem ser cobrados por cinco anos. Coincidentemente, o mesmo prazo determinado pelo CDC para apontamento – ou negativação – do CPF. Já para aluguéis atrasados, o prazo de prescrição é de três anos. Lembrando que estes prazos são para entrar com cobrança judicial.

É importante saber que, caso o credor tenha ingressado com ação de cobrança na Justiça durante o prazo estabelecido pelo Código Civil, a dívida não prescreve. A ação judicial suspende a prescrição. Se não entrou com ação judicial no prazo, a empresa poderá continuar cobrando a dívida, mas por outros meios como cobrança administrativa ou escritórios de cobrança, por exemplo.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.