Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 22-09-2019 às 23:30

Por que é preciso ouvir os jovens que protestam pelo clima

Às sextas-feiras, virou rotina na Europa: escolares faltam aula e vão às ruas protestar por uma política climática mais sustentável

A sueca Greta Thunberg (segunda, da dir. para esq.) no último protesto em Berlim | Creditos: Divulgação

Atualmente, Sebastian Grieme enfrenta a época de "abitur", o vestibular alemão. Mas, segundo o estudante de 19 anos, suas prioridades são agora um pouco diferentes. Todos os dias, ele investe 12 horas, às vezes até mais, na organização das "Sextas-Feiras para o Futuro" (Fridays for Future).

"Protestar não é tudo. A maior parte do esforço que realizamos aqui acontece em nosso tempo livre." No fim de semana, ele trabalha no jornal conjunto, reúne-se com outros membros do movimento contra as mudanças climáticas, prepara notícias para os grupos nacionais – das 9h da manhã às 2h da madrugada.

Grieme faz parte do "grupo de trabalho do documento de reivindicações", que conta com cem membros. Seu objetivo é realizar um catálogo conjunto de demandas do movimento na Alemanha.

Para isso, eles tiveram conversas com cientistas, leram relatórios científicos. Grieme afirma ter estudado o relatório do IPCC, de 150 páginas, o relatório climático da ONU. "Com base nisso, tentamos levar demandas mais concretas aos políticos".

Desde meados de dezembro, estudantes de toda a Alemanha vão às ruas às sextas-feiras para protestar por uma política climática mais sustentável. Eles seguem o exemplo de Greta Thunberg, a ativista sueca de 16 anos que ganhou atenção internacional com uma greve escolar de várias semanas e desencadeou protestos semanais em todo o mundo.

Nesta sexta-feira (29/03),Thunberg esteve em Berlim, apoiando o movimento escolar alemão pelo clima. O líder do Partido Liberal Democrático alemão, Christian Lindner, declarou recentemente que a política climática é "uma coisa para profissionais".

E o ex-prefeito do bairro berlinense de Neukölln, Heinz Buschkowsky, escreveu há pouco tempo num editorial para o jornal Bild que a maioria dos jovens ativistas estaria entendendo as "sextas-feiras para o futuro" deliberadamente de forma errônea – como uma "licença para matar aula". E com a reprovação, Buschkowsky não está sozinho.

O pré-universitário Sebastian Grieme afirma se irritar com tais declarações. "Se o Sr. Lindner nos diz que devemos deixar isso para profissionais, então pergunto se ele leu o relatório do IPCC."

E não apenas Grieme rejeita as alegações de evasão escolar. Entrevistas de pesquisadores de protestos também afirmam: "Faltar aula não é certamente a razão pela qual as pessoas vão para lá", diz Sebastian Koos, professor do Instituto de Política e Administração Pública da Universidade de Konstanz.

Ele entrevistou os participantes dos protestos no sul da Alemanha, em 15 de março último, para questionar seus motivos. Quase 90% disseram não achar que as manifestações de sexta-feira foram apenas uma boa oportunidade para não ir à escola. "Também é preciso ser dito: naquela sexta-feira choveu muito em Konstanz, o tempo estava realmente uma catástrofe. Quem quis faltar aula seguramente não estava nos protestos", afirma Koos.

Sophia Salzberger também diz que as alegações seriam absurdas. A estudante organiza os protestos "sextas-feiras para o futuro" em Leipzig. "Eu diria que este é um emprego de meio expediente para mim, eu trabalho certamente entre 10 e 20 horas por semana para as 'sextas-feiras para o futuro'", afirmou. "E insinuar que eu só estou fazendo isso para faltar aula – acho que haveria métodos mais fáceis do que aderir a um movimento global de jovens."

O movimento "sextas-feiras para o futuro" afirma ter mais de 350 grupos locais. Cada um deles envia um delegado, o "Deli", para um plenário nacional. Este grêmio, por sua vez, reúne-se uma vez por semana por videoconferência e discute, entre outras coisas, quando vai ocorrer a próxima grande greve, se deve haver uma conta para doações ou se os políticos serão convidados para tais ações.

Os respectivos grupos locais deliberam sobre as propostas e, uma semana depois, o plenário vota as decisões. Os ativistas das "sextas-feiras para o futuro" chamam isso de "democracia de base". Eles se conectam através de grupos no Whatsapp, Instagram, Facebook, Telegram ou Slack. Há uma assessoria de imprensa própria que responde às perguntas dos jornalistas e envia mensagens questão de minutos.

Luisa Neubauer foi uma das iniciadoras das "sextas-feiras para o futuro" na Alemanha. A mídia considera a estudante de geografia de 22 anos como a Greta Thunberg alemã. Neubauer conheceu Thunberg na conferência sobre o clima em Katowice.

"Eu pensei: temos que mudar muita coisa e rapidamente fazer muito alarde", afirmou Neubauer em entrevista. "Nossos protestos geram uma pressão pública, que chama todos os tomadores de decisão à responsabilidade e aumenta a necessidade de agir." Suas principais demandas: a manutenção da meta de 1,5°C e desistir o mais rapidamente do carvão – não apenas em 2038.

Os pesquisadores de protestos se dizem impressionados com o movimento em ascensão. "Eles colocaram mais uma vez as mudanças climáticas na agenda, mas agora de uma forma completamente diferente da anterior", aponta o pesquisador Sebastian Haunss, professor da Universidade de Bremen.

Ele afirma que os jovens já fazem certo em se tornar um movimento social sustentável. "Eles não apostam em ações espetaculares, não dependem de oradores proeminentes, mas na própria convicção local. Eles conseguiram fazer com que as pessoas tomassem uma ação que não tomariam de outra forma."

Muitos participantes das manifestações de sexta-feira se aventuram com suas ausências não justificadas. Para que realmente se afirmem, na opinião de Haunss, eles precisam de aliados. "Eles precisam de outros atores que os apoiem, que assumam suas reivindicações."

Nas últimas semanas, as sextas-feiras têm recebido mais apoio. A organização ambiental alemã BUND divulgou uma nota de apoio. Políticos de quase todos os partidos também declararam sua solidariedade com o movimento – até mesmo a chanceler federal alemã, Angela Merkel, elogiou o comprometimento dos jovens.

E os "profissionais" também estão apoiando o movimento. Cerca de 23 mil cientistas – os "cientistas para o futuro" - assinaram uma declaração de solidariedade às manifestações.

O pesquisador de protestos Sebastian Koos, de Konstanz, também acredita que as "Sextas-Feiras para o Futuro" tem o potencial de se tornar um movimento de longo prazo. Ele estava se referindo ao "efeito Greta": segundo Koos, os jovens viram que podem provocar mudanças.

O tamanho do movimento vai depender não apenas da mobilização de outros grupos, mas também de quanto os jovens se envolverem no trabalho político clássico e não apostar todas as suas cartas nas "Sextas-Feiras para o Futuro", diz Koos, explicando que muitas demandas ainda são um pouco abstratas no momento. "Acho que o próximo passo é formular novamente objetivos políticos concretos".

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.