Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 25-04-2019 às 03:45

O Coachella Valley, na Califórnia, recebe a 2ª edição da desert X

Neste ano, a exibição volta ao vale com uma nova série de obras, que permanecerão expostas até o dia 21 de abril

John Gerrard, Western Flag. | Creditos: Reprodução/CASACOR

Em 2017, o Coachella Valley, na Califórnia, foi palco da 1ª edição da desert X – uma exposição de arte contemporânea, que apresenta uma profusão de instalações alocadas em pleno deserto, que contrastam com toda a paisagem ao redor. Neste ano, a exibição volta ao vale com uma nova série de obras, que permanecerão expostas até o dia 21 de abril. Muitas delas trazem uma crítica à atual situação ambiental e econômica do planeta, fazendo um alerta, gritante, de que se nada mudar, o futuro será devastador. Confira abaixo as instalações de 2019:

 

John Gerrard, Western Flag

O artista irlandês John Gerrard é conhecido por criar imagens simuladas em tempo real contra paisagens austeras. Ele usa esta abordagem para transmitir mensagens de como o poder funciona na sociedade, expondo as estruturas intrincadas e as redes esmagadoras, que dominam a cultura de massa. Situado na entrada de Palm Springs e do Coachella Valley, a Western Flag (Spindletop, Texas) retrata o monumento Lucas Gusher, a primeira grande descoberta de petróleo do mundo (em 1901), localizada em Spindletop, no Texas, agora estéril e exaurida.

O trabalho atua como um lembrete gritante, não apenas da exploração intencional e do esgotamento de recursos, mas também da energia usada para devolver a terra deserta ao seu estado atual de habitação artificial.

 

SUPERFLEX, Dive-in

O coletivo de artistas SUPERFLEX, composto por Jakob Fenger, Rasmus Nielsen e Bjørnstjerne Christianse, cria projetos destinados a serem usados ​​ativamente. Isso incentiva as comunidades a participarem e desenvolverem trabalhos para alterar seus contextos socioeconômicos. Repensando a arquitetura do ponto de vista da futura submersão sob a água, o SUPERFLEX procurou criar uma forma baseada na terra, que seria igualmente atraente para a vida humana e marinha.

Denominado Dive-in, a instalação combina o reconhecimento de que o aquecimento global irá remodelar drasticamente o habitat do nosso planeta com outra extinção mais recente: o cinema ao ar livre. Aqui os interesses dos habitantes do deserto e da vida marinha se reúnem nas paredes semelhantes a corais e exibições semanais de uma estrutura nascida de um passado profundo e de um futuro raso.

 

Iván Argote, A Point of View

Ivan Argote é um artista que cria instalações, esculturas e filmes a fim de explorar as relações entre política e história, que constroem nossas vidas públicas e pessoais. Intitulada A Point of View, a escultura interativa foi instalada em uma elevação acima do Mar Salton – a massa artificial de água, que foi o maior lago da Califórnia no século passado. As escamas de concreto colocadas perto da costa norte do mar projetam o observador na paisagem.

Mensagens fixadas no concreto aparecem em espanhol e inglês em cada degrau. Segundo o artista, as obras reunidas funcionam como relógios de sol representando o tempo na fragmentação.

 

Cara Romero, Jackrabbit, Cottontail & Spirits of the Desert

O trabalho de Cara Romero examina a vida indígena através de uma visão contemporânea, oferecendo uma compreensão complexa da vida nativa de hoje, onde as mulheres frequentemente ocupam o centro do palco. A nova série fotográfica de Romero responde às terras ancestrais dos povos cahuilla, chemehuevi, serrano e mojave.

Estas imagens apresentam quatro visitantes especiais, que viajam no tempo de chemehuevi e vieram para as terras ancestrais de suas tribos irmãs no Coachella Valley. Na visão de Romero, essas pequenas, mas poderosas figuras, voltaram para nos lembrar de nossas profundas conexões com a terra, as histórias contidas nela e como podemos viver em relação a ela.

 

Nancy Baker Cahill, Revolutions

Nancy Baker Cahill é uma artista conhecida por usar desenho, vídeo, som original e realidade aumentada e virtual (AR e VR) para enquadrar o corpo como uma abstração. A artista criou duas peças em locais distintos, perto dos pólos extremos do vale. Ao norte, perto das fazendas dos moinhos de vento, Revolutions (na imagem acima) alude à captação de energia, que precisamos para remediar uma crise provocada pelo homem. A experiência leva os espectadores a ruminar sobre seu próprio corpo dentro do espaço e do cenário da paisagem, ofuscados pela escala gigante implícita do trabalho digital.

 

Julian Hoeber, Going Nowhere Pavilion #01

Feito de blocos vazados de concreto marrom, o Going Nowhere Pavilion #01 é inspirado pela tira de möbius – um espaço topológico obtido pela colagem das duas extremidades de uma fita, após efetuar meia volta em uma delas. O pavilhão é caracterizado por uma só tira retangular com um único lado formado por extremidades unidas.

O artista expressa a construção com uma ambiguidade espacial onde o interior e o exterior pode rapidamente se tornar indiscernível. O trabalho, incluindo pintura, escultura e desenhos, visa apresentar uma imagem da mente através de um estudo da consciência fenomenológica. Hoeber traduz essa geometria em forma construída para investigar sua relação com a psicologia humana.

 

Kathleen Ryan, Ghost Palm

Esta instalação é uma reconstrução meticulosa da maior espécie de palmeira nativa da Califórnia, a washingtonia filifera (palmeira do deserto). Aninhada em um terreno do deserto baixo, entre o caminho de San Andreas e uma linha de Tamargueiras, a Ghost Palm é uma manifestação do fascínio da artista pelo tênue equilíbrio entre a fragilidade e o puro poder. Com mais de seis metros, a versão desta palmeira icônica é construída com materiais feitos pelo homem: aço, plástico e vidro.

 

Postcommodity, It Exists in Many Forms

POSTCOMMODITY é um coletivo composto por Cristóbal Martínez e Kade L. Twist.
 O projeto da dupla, existe em muitas formas e surgiu de conversas profundas entre os artistas e proprietários das casas de Palm Springs. A instalação é uma obra sonora inspirada por essas conversas e instalada em uma casa, especificamente a casa de ondas de Walter White. O trabalho busca amplificar sensações complexas, que tentam intimar o deserto como elemento de design e objeto de atração.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.