Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 21-07-2019 às 13:14

Endometriose causa infertilidade em 50% das mulheres

Ginecologista da Organização Social de Saúde CEJAM ressalta que tratamento adequado pode fazer os sintomas desaparecerem

Vale lembrar que a endometriose, apesar de ter a capacidade de se disseminar pelo corpo, não tem relação com o câncer.  | Creditos: PixaBay

A endometriose atinge milhões de mulheres no Brasil e no mundo, e se caracteriza pelo incorreto diagnóstico de cólica menstrual.  No entanto, a causa, os sintomas e as consequências desta doença, se não tratada adequadamente, são muito mais graves, podendo provocar atéinfertilidade.

Devido à gravidade, surgiu a campanha Março Amarelo, que pretende conscientizar as mulheres quanto aos riscos da endometriose, que écaracterizada pela presença de células do endométrio fora do útero, em órgãos como ovário, intestino, bexiga, rins ou pulmão.

A doença pode ser assintomática, mas também causa cólica menstrual intensa, dor durante a relação sexual, alteração intestinal no período menstrual, sangramento nas fezes, dor para urinar e, em alguns casos, infertilidade.

De acordo com a ginecologista Denise Martins Galvão, do Centro de Estudos e Pesquisas Dr. João Amorim (CEJAM), o diagnóstico é feito por meio de observação dos sintomas, exame de toque vaginal e identificação de lesões nos exames de imagem. “O tratamento pode ser clínico, com uso de medicamentos para retardar a evolução da doença e inibir a produção de hormônios, ou cirúrgico, para retirada das lesões. Tais procedimentos irão permitir uma melhora da qualidade de vida com diminuição ou extinção da dor e retorno da fertilidade em grande partedas mulheres.” A ginecologista do CEJAM aponta que, egundo a Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), cerca de 50% das mulheres com endometriose têm dificuldade para engravidar. E isso se deve a fatores como obstrução das trompas eaderências e alterações inflamatórias que causam distúrbio na ovulação.

“Algumas mulheres precisam de tratamento cirúrgico e, às vezes, técnica de reprodução assistida para engravidar, como a inseminação artificial ou fertilização in vitro”, afirma Denise Martins Galvão.

Segundo a Associação Brasileira de Endometriose, após a menopausa, os ovários param de produzir o estrogênio. Com isso, o endométrio não é mais estimulado e tende a não proliferar. A menstruação também é interrompida e com isso, os sintomas da doença podem diminuir ou desaparecer. Em muitos casos, não há mais necessidade de tratamento.

Vale lembrar que a endometriose, apesar de ter a capacidade de se disseminar pelo corpo, não tem relação com o câncer. É uma doençabenigna, porém, crônica, ou seja, sem cura definitiva. Porém, o tratamento adequado permite a melhora da qualidade de vida e o retorno dafertilidade, na maior parte dos casos.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.