Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 25-06-2019 às 18:04

Ana Martinha da Silva, a mulher mais idosa do Brasil

A Mostra Cultural: 300 Mulheres - Letras, História e Equidade, projeto da Academia Mato-grossense de Letras, coordenado pela juíza Amini Haddad, membro da cadeira 39 da AML, traz a história de Ana Martinha da Silva.

| Creditos: Luiz Medeiros/Diário de Cuiabá


Nascida em 24 de agosto de 1880, na Comunidade Barreiro, município de Chapada dos Guimarães.Foi registrada, somente, aos 04 anos de idade. Era filha de escravos, e em seus relatos, contou ter visto seus pais serem libertados pela Lei Áurea. Teve (09) nove filhos.

Foi registrada no livro de recordes brasileiros como a mulher mais velha do mundo, em 22 de dezembro de 2003, quando tinha 123 anos de registro e 127 anos de vida. Tem importante expressão na história das mulheres mato-grossenses, tendo em vista sua experiência e os muitos preconceitos e dificuldades enfrentadas ao longo de sua jornada.

Conhecida como a mulher mais velha do Brasil, ela chegou a entrar para o Guinness Book (Livro dos Recordes) como a mais velha do mundo. Os documentos dela estavam no Reino Unido, onde eram analisados para inclusão no Guinness Book.

Seu trabalho foi como cozinheira até os 103 anos, numa fazenda de Várzea Grande, tendo ao longo de sua existência cozinhado, lavado e passado para muitas famílias mato-grossenses.

Centenária, presenciou momentos importantes da história do Brasil:

Em entrevista realizada em agosto de 2003, ocasião em que comemorava seus 123 anos, citou, como fato marcante, o suicídio de Getúlio Vargas (1882/1954). Ela foi o relato vivo da história dos negros e do desenvolvimento circunscrito a alguns bairros de Cuiabá.

Com bom humor, ela descrevia cenas quando da notícia do fim da escravidão. Assim, afirmava:- “Chegou um homem lá na fazenda, correndo para todos os lados e noticiando a alforria (a lei Áureafoi assinada em maio de 1888). Nessa hora, os negros começaram a pular de alegria e os brancos a chorar”.

Entre gargalhadas, dona Martinha completa: - “Nossa gente estava alegre e eles tristes porque iam ter que trabalhar”.Mas a tristeza logo estampa no rosto dela, ao se lembrar das atrocidades da escravidão, com a afirmação: - “Minha filha, eles judiavam tanto dos escravos que você nem pode imaginar. Vi muitos deles ser espancados e outros assassinados”. 

Morando em uma casa simples no bairro Pedra 90 II, ela passava a maior parte do tempo em uma rede, de onde ainda conseguia se levantar sozinha. A idade também não a impedia dos cuidados pessoais, de se vestir e de se alimentar, ainda com expressão lúcida de seu tempo e vida.A sua saúde surpreendia médicos e familiares.

A filha, Benedita Silva, de 70, se dizia envergonhada diante da capacidade da mãe de recordar fatos tão antigos. Dona Martinha se orgulhava, por exemplo, de ter sido internada apenas duas vezes e por ocorrências banais. Uma vez, conta, porque se machucou numa queda provocada por um cachorro. “Mas passei só um dia no hospital”. Na outra, diz, que estava apenas com umadisfunção intestinal.

Seu segredo de saúde, dizia: - “tomar uma colher de mel ao dia, logo depois do desjejum, que pode ser um bife ou um pedaço de frango com um punhado de farinha de mandioca”. 

 

Faleceu no dia 27 de julho de 2004, aos 127 anos de idade. Em sua homenagem,

A obra foi confeccionada pela artista plástica Esterlita Cecília Rodrigues.

< >NOTA DA REDAÇÃO -  O Jornal Rosa Choque foi o primeiro a publicar a história de Ana Martinha da Silva, e em seguida conseguiu que a Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais- BPW Cuiabá abraçasse sua causa, a tornando pública para o Brasil, articulando com o Guiness Brasil a sua certificação, e com o governo e outras instituições proporcionou maior qualidade de vida para a anciã até a sua morte.

FONTES

Diário de Cuiabá. Informes. Autoria de Alecy Alves. Acesso em 29 jan. 2019. Ana Martinha comemora seus 123 anos. Disponível em: <http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=151020>.

 

Circuito Mato Grosso. Autoria Cátia Alves. Bairro luta contra estigma da violência e anseia por melhorias. Acesso em 27 fev. 2019. Disponível em: <http://circuitomt.com.br/editorias/cidades/127098-bairro-luta-contra-estigma-da-violencia-e-anseia-por-melhorias-.html>

Foto acervo pessoal de José Luiz Medeiros – Diário de Cuiabá.

Dados de Pesquisa levantados por Amini Haddad Campos (Coordenadora do Evento 300 Mulheres – Letras, História e Equidade, em conjunto com a sua Equipe de Gabinete: Ariane Ribeiro Lima, Isabela Curvo Mello Carlini, Paulo Roberto Rocha da Silva Jr.), em iniciativa voluntária e em ação não remunerada.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.