Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 25-06-2019 às 17:56

Vai para a folia? O que usar e o que deixar de lado

Como ousar na maquiagem sem esquecer da saúde da pele

Antes da maquiagem, a doutora aconselha que se aplique um bom hidratante sobre a pele. | Creditos: PixaBay

Falta pouco para a folia de Carnaval começar. Nas próximas semanas, os bloquinhos de rua devem ganhar maior movimento e destaque em todo o Brasil. Embalados pela alegria, é comum os foliões abusarem de cores e brilhos nas maquiagens, pinturas corporais e acessórios típicos para uma das festas mais esperadas no Brasil. Mas será que tudo pode?

A dermatologista Renata Sitonio, da Sociedade Brasileira de Dermatologia e chefe da Clínica Sitonio, alerta que, se usados de  forma equívoca, esses produtos podem causar irritações e sérios riscos à saúde, não somente da pele. Para você não errar na maquiagem de Carnaval e nos acessórios, aqui vão algumas dicas da especialista Renata Sitonio:

 
Glitter, lantejoulas, purpurina  

Embora o brilho seja comum nas caracterizações de Carnaval, todo cuidado é pouco na escolha desses artifícios. Segundo a dermatologista Renata Sitonio, o ideal é evitar produtos que não sejam feitos para o uso na pele, principalmente na área dos olhos, evitando assim alergias. “Opte por produtos leves, de preferência hipoalergênicos já que, com o suor e calor, a pele fica mais sensível às substâncias presentes neles. As maquiagens com brilho são opções mais seguras”.

 
Tintas e Sprays

A dermatologista da Clínica Sitonio explica que algumas pinturas podem levar a quadros de dermatite de contato (alergia caracterizada pela coceira, vermelhidão e descamação da pele). A tinta guache, por exemplo, é um desses vilões, pois trata-se de um produto que não foi feito para o uso na pele. “Em contato com a região dos olhos, pode desencadear até mesmo uma conjuntivite alérgica”, alerta.

Já os sprays para colorir os cabelos também são muito usados, pois a maioria das pessoas não apresentam reações a eles, porém, em casos de ardência ou coceira após sua aplicação, a especialista recomenda que se lave os cabelos imediatamente e, em casos de piora, que se procure um dermatologista.

 
Espumas

As espumas parecem inofensivas mas, na verdade, também podem causar reações alérgicas e urticárias, além de irritações na garganta e nos olhos. Conforme a especialista, seu uso não está proibido, mas é necessário usar com cautela e evitar espirrar o produto nos olhos de outras pessoas. “Em casos de contato com os olhos, lave abundantemente a região com água corrente limpa”, orienta.

 
Produtos para crianças

Em meio à folia, o cuidado com os pequenos não pode ficar de fora. A chefe da Clínica Sitonio, aconselha que marcas e produtos para adultos sejam evitados nas crianças. Além disso, ressalta a importância da fotoproteção deles. “O ideal é que se passe duas camadas de filtro solar na criança, tendo o cuidado de repetir a aplicação a cada duas a três horas. Vesti-los com roupas com proteção UV e mantê-los de chapéu e óculos de sol, também é importante para proteção”, assegura.

 
Antes e depois da folia  

Antes da maquiagem, a doutora aconselha que se aplique um bom hidratante sobre a pele, a fim de formar uma camada protetora e, em seguida, duas camadas de filtro solar FPS 30 ou mais, repetindo o processo a cada duas ou três horas. “O filtro é essencial não apenas para evitar as manchas, mas também para evitar queimaduras solares e o temível câncer de pele”, explica.

Já para remover a maquiagem, a dermatologista também dá dicas: “Os lenços demaquilantes são muito práticos, inclusive, na época carnavalesca. Com eles, você não dorme de maquiagem, evitando os poros sujos e o surgimento da acne. Depois do lenço, retire o excesso de produto com um sabonete específico para seu tipo de pele e, por fim,  aplique um hidratante leve”, completa.

Renata Sitonio é Médica Dermatologista chefe da Clínica Sitonio, em São Paulo. Graduada pela Universidade Federal da Paraíba, Título de Especialista em Dermatologia pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, Especialista em Dermatologia no Conselho Federal de Medicina e Associação Médica Brasileira, Membro efetivo da Sociedade Brasileira de Dermatologia - SBD - e regional de São Paulo e Coautora do livro IPCA sobre técnicas cirúrgicas com agulhas.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.