Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 24-04-2019 às 21:59

Os pets também podem cair na folia?

Veterinário orienta a redobrar a atenção com hidratação, sol forte, aglomerações, som alto, além de evitar adereços e produtos que podem comprometer a saúde dos bichinhos de estimação

Saiba quais os cuidados para curtir o carnaval com os pets! | Creditos: PixaBay

Os pets também podem cair na folia. Mas, para se divertir no carnaval sem comprometer o bem-estar, é importante ter alguns cuidados. “As pessoas precisam ficar atentas a questões como hidratação, sol forte, aglomerações, som alto, além de tomar muito cuidado com fantasias, já que alguns adereços e produtos podem comprometer o bem-estar dos bichinhos de estimação”, explica o veterinário Italo Cássio, da Petz.


Fantasias confortáveis

As fantasias jamais devem tapar os olhos, dificultar a locomoção ou ser apertada. “Para se certificar deste quesito, é preciso sempre medir três dedos entre a roupinha e o corpo do pet, principalmente, na região do pescoço”, orienta o veterinário.

Verificar se a fantasia não é feita de tecidos muito grossos e pesados. Isso porque os animais não transpiram da mesma forma que as pessoas. Portanto, trajes muito abafados podem dificultar o processo de transpiração dos pets e desencadear graves problemas de saúde. “Por isso, o melhor é que sempre optar por tecidos leves que favoreçam a circulação de ar”, aconselha o Dr. Italo.

Se for à noite, aplicar fitas refletoras nas roupinhas dos bichos de estimação para que motoristas, motoqueiros ou ciclistas possam enxergá-los a distância em casos de eventual perigo. 

Experimentar antes e observar como os pets se comportam. O ideal é optar por roupinhas que permitam que eles andem com tranquilidade, pulem ou corram normalmente e não tenham dificuldades para fazer as suas necessidades.

Vale lembrar que alguns animais ainda travam quando são inteiramente vestidos. Se for o caso, é possível trocar as fantasias por adereços mais simples, como bandanas, laços, gravatinhas e até adesivos próprios para pets.

 

Barulho e multidões

Muitos bichos de estimação não estão acostumados com multidões e podem estranhar ambientes com muita gente e até com outros animais. Nesses locais, o som também costuma ser alto, o que pode incomodá-los, já que possuem capacidade auditiva maior do que a nossa. “Por isso, se possível, é sempre melhor optar por eventos mais tranquilos ou próprios para animais. Nestes ambientes, é mais fácil evitar o desconforto dos bichinhos”, afirma o veterinário.

O uso de guias e coleiras é indispensável, seja qual for a situação. Afinal, estes utensílios evitam que os pets se percam dos donos ou entrem em conflito com outros animais.

 

Proteção no ouvido

Para aqueles que vão ficar em casa e têm sensibilidade a barulho, é preciso fazer um isolante acústico do ambiente, fechando as janelas, deixando o ambiente tranquilo, evitando o estresse. Com orientação do veterinário, podem ser aplicados produtos para deixá-los calmos.

É possível utilizar protetor auricular para eles, como o algodão hidrofóbico, que repele água e acaba sendo um isolante acústico. Pode colocar um pedacinho de algodão com cuidado e bem superficialmente no ouvido do cão, somente no período que for exposto ao barulho. Logo em seguida, remover o algodão, pois se deixá-lo pode ter comprometimento e desencadear uma otite, por exemplo.

 

Sol e hidratação

Ao participar de blocos de rua, bailes, concursos ou desfiles a céu aberto, os tutores precisam tomar cuidado também com o horário. O Dr. Italo explica que, debaixo de sol forte, os pets correm o risco de ter hipertermia – que é quando a temperatura corporal sobe excessivamente. “Por isso, o melhor é não expor o pet diretamente ao sol, por períodos prolongados, entre 10h e 16 horas, que é quando as temperaturas estão mais altas durante o dia”, recomenda.

Para manter a hidratação, levar garrafinhas d’água, junto com um recipiente, para que eles possam ingerir líquido em intervalos regulares. Além disso, também é fundamental utilizar protetor solar específico para pets nas orelhas, focinho e barriga dos bichinhos, principalmente, entre os de pelagem clara que correm maior risco de desenvolver câncer de pele. “Todas essas medidas evitam o risco de problemas como insolação, queimaduras, entre outros, o que, claro, é muito importante para o bem-estar dos pets que participam do carnaval”, conclui o veterinário da Petz.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.