Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 19-02-2019 às 10:33

Carnaval o som alto é prejudicial ao ouvido

Uso de protetores auriculares, manter a distância das caixas acústicas, além da ingestão cautelosa de bebidas alcoólicas e alimentos gordurosos evitam danos auditivos importantes

Em locais barulhentos: use protetores de ouvido e faça intervalos de 10minutos por hora. Não ache “normal” sair da balada com zumbido! | Creditos: PixaBay

No período de Carnaval algumas pessoas ‘extravasam’ mais do que de costume, comportamento que pode trazer prejuízos à saúde, como, por exemplo, aos ouvidos, pois elas passam a ter um sintoma muito comum na população: o zumbido. “O zumbido é uma indicação de que algo de errado está acontecendo no organismo, como se fosse um desajuste, devido ao excesso de som alto, ingestão de gordura, cigarro, álcool e até alguns medicamentos ingeridos. E é neste período que as consultas no consultório com pessoas com o zumbido e outros problemas aumentam”, explica Dra. Tanit Ganz Sanchez.

O som alto dos ensaios das Escolas de Samba, dos shows e das baladas podem causar o chamado “Trauma Acústico” - uma lesão no ouvido interno frequentemente causada pela exposição a ruídos com decibéis elevados e que pode ocasionar na perda de audição entre 30 e 40 anos de idade e podem causar o temido zumbido no ouvido, que pode ser considerado como um sintoma da perda auditiva precoce, embora, a maioria dos casos de zumbido sejam diagnosticados após a idade de 50 anos, devido aos medicamentos e maus hábitos alimentares, o quadro persistente pode ocorrer em qualquer idade

A dica da especialista para evitar isso é colocar os protetores auriculares, já usados até pelas celebridades do carnaval, e fazer um intervalo de hora em hora do barulho, além de se manter distante das caixas acústicas. “Esse cuidado é necessário para que os tímpanos ou qualquer outra parte do canal auditivo não sejam afetados, pois temos muitos pacientes sendo tratados devido a essas exposições e o som alto, que pode até causar danos irreversíveis, como possivelmente apresentará perda de audição entre 30 e 40 anos de idade”, complementa a Profa Dra. Tanit Ganz Sanchez.

Os números do zumbido no ouvido: O zumbido no ouvido ocorre em pessoas de todas as idades, inclusive crianças e adolescentes, podendo comprometer o sono, a concentração na leitura, o equilíbrio emocional e até a vida social, profissional e familiar. Aumento progressivo do número de pessoas com Zumbido: Um levantamento do ‘Instituto Ganz Sanchez’ estima que no Brasil existam de 34 a 48 milhões de pessoas com zumbido no ouvido, tratando-se de um aumento expressivo em relação aos 28 milhões estimados há quase 20 anos. Surdez antes dos 40 anos: A pesquisa “Prevalência e causas de zumbido em adolescentes de classe média/alta”, realizada com apoio da FAPESP e publicada na revista Scientific Reports, do grupo Nature, mostrou que, entre 170 adolescentes de 12 a 17 anos de uma renomada escola privada de São Paulo, 54,7% confirmaram ter ou já ter tido zumbido nos últimos 12 meses. Desses, mais da metade percebia ou piorava do zumbido após exposição a música alta.

Para a especialista, Dra. Tanit GAnz Sanchez, essa porcentagem surpreendeu muito, já que a expectativa era de um resultado semelhante aos 37% revelados em seu estudo prévio com 506 crianças. Considerando que o zumbido afeta os ouvidos mais vulneráveis, essa constatação aponta para uma situação mais grave: “Se essa geração de adolescentes continuar se divertindo na presença de níveis elevados de ruído, provavelmente apresentará perda de audição antes dos 40 anos, mesmo que a estimativa de vida chegue a perto dos 100 anos”, ou seja, teremos uma legião de surdos cada vez mais jorvens, estimou a médica.

 

11 dicas para evitar o zumbido nas festas e comemorações:

1 - Em locais barulhentos: use protetores de ouvido e faça intervalos de 10minutos por hora. Não ache “normal” sair da balada com zumbido!

2 - Com fones de ouvido: evite ultrapassar a metade da potência ou usar por mais de 2 horas.

3 - Alimente-se 4 a 6 vezes ao dia, evitando abuso de cafeína, doces, sal, álcool e nicotina.

4 - Hidrate-se bem para seus rins eliminarem melhor as toxinas.

5 -  Exercite-se 5 vezes por semana: seu metabolismo e circulação vão melhorar.

6 - No caso de Zumbido, troque o silêncio por estimulação com baixo volume de sons suaves, mesmo durante a leitura ou o sono. Isso ajuda no controle do zumbido e da hipersensibilidade aos sons.

7 - Diminua o tempo de celular direto no ouvido, pois a radiação eletromagnética pode ser prejudicial.

8 - Evite automedicação: certos remédios podem agredir os ouvidos.

9 - Alivie seu estresse com atividades relaxantes como yoga, meditação, Tai-Chi-Chuan, Chi-Cong etc.

10 - Incorpore mais momentos de prazer na sua vida para restaurar a função dos órgãos.

11 - Visite seu médico regularmente para exames preventivos gerais e auditivos.

 

Sobre a especialista

Profa Dra. Tanit Ganz Sanchez: Otorrinolaringologista com doutorado e livre-docência pela USP, Diretora-Presidente do Instituto Ganz Sanchez, criadora da Campanha Nacional de Alerta ao Zumbido (Novembro Laranja) e do Grupo de Apoio Nacional a pessoas com Zumbido. Assumiu a missão de desvendar os mistérios do zumbido e é pioneira nas pesquisas no Brasil, sendo reconhecida por sua didática, objetividade e compartilhamento aberto de ideias. É especialista em Zumbido, Hiperacusia, Misofonia e Distúrbios do Sono.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.