Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 20-05-2019 às 18:35

Museu das Cadeiras Brasileiras é inaugurado em Belmonte

Cidade histórica baiana recebe o primeiro museu totalmente dedicado à cadeira, com peças assinadas por designers renomados

Fernando Mendes, 2010 - Morito Ebine, 2010 - Juliana Vasconcellos, 2018. | Creditos: Divulgação

A cidade de Belmonte, localizada no litoral sul da Bahia, e conhecida como a terra do cacau, acaba de ganhar o primeiro museu totalmente dedicado à cadeira. O Museudas Cadeiras Brasileiras é um projeto do designer Zanine de Zanine, filho de Zanini Caldas, artista belmontense e um dos principais representantes do modernismobrasileiro no design de móveis, do empresário do ramo da construção civil, Daniel Katz, e da Secretaria de Cultura e Turismo de Belmonte.

O espaço traz a história desse móvel e seu papel social, além de ser inspiração para profissionais do design. “A cadeira tem um papel icônico na profissão do designer, especialmente por transitar com muita fluidez entre a usabilidade e a possibilidade de ser um ícone peculiar, transformando o ambiente em que está inserida”, comenta Zanini de Zanini.

O endereço para sediar o museu foi cedido pelo empresário mineiro Daniel Katz. No local, uma casa branca com arquitetura histórica, localizada no centro da cidade, funcionava o escritório comercial da Katz Construções, empresa do setor de construção civil de alto padrão, que possui empreendimentos em Belmonte e Santo André.

“O Zanini e eu começamos a idealizar um projeto que uniria a cultura de Belmonte à importância do design brasileiro. O Museu das Cadeiras é único e reúne um acervode referência no ramo. Além de ser uma oportunidade para mostrar o quanto essa cidade é cheia de boas surpresas. A cada nova visita, uma descoberta de sua importância para a região”, conta Daniel.

O responsável pela organização do acervo de cadeiras, que estão expostas no Museu, é Christian Larsen, curador do The Metropolitan Museum of Art de Nova York. “Esse é outro ponto que reforça a importância e o reconhecimento do projeto para a valorização da cultura nacional e sua visibilidade, a nível internacional, especialmente para a rica herança cultural que Belmonte carrega”, explica Zanini.

No acervo, estão peças de artistas renomados, como: Irmãos Campana, Aida Boal, Joaquim Tenreiro, Carol Gay, Claudia Moreira Salles, Domingos Totora, Estevão Toledo, Etel Carmona, Fernando Mendes e Flávio Franco. Todos eles cederam móveis conceituais para o museu.

O museu está aberto para visitação de quarta-feira a sexta-feira, de 9h às 12h e 14h às 17h, e aos sábados e domingos com agendamento pelos telefones (73) 99811-4261 e 98107-1102.

 

Sobre a cidade

Com pouco mais de 20 mil habitantes, Belmonte fica na Costa do Descobrimento, onde se instalaram diversas fazendas de cultivo do cacau, durante o século 19, tornando a cidade uma das mais prósperas da região, na época. O nome do município é uma homenagem à terra onde nasceu o português e descobridor do Brasil PedroÁlvares Cabral.

Uma das propostas da cidade é permitir uma volta simbólica pelo passado, por meio dos costumes e do acesso à arquitetura, à literatura, além das belezas naturais e da gastronomia típica. Visitas às antigas fazendas de cacau também entram para a lista de atrativos de Belmonte.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.