Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 13-12-2018 às 12:05

Quando a maternidade vira negócio

A experiência com a maternidade faz com que muitas mulheres desenvolvam empreendimentos baseados nas necessidades desse mercado

A maternidade é um universo à parte, que leva a mulher a descobrir novas alternativas de vida. | Creditos: PixaBay

A maternidade é um universo à parte, que leva a mulher a descobrir novas alternativas de vida. E quando, além de mães, elas também são chefes de família, não é só sobre a vida no lar que a maternidade ensina. Para muitas mulheres é oportunidade de empreender.

c. Dados do Sebrae Nacional apontam que o Brasil reúne mais de dois milhões de empreendedoras que têm filhos e são chefes de família. Seja por necessidade, oportunidade ou as duas situações, elas decidiram que era o momento de empreender e mudar o rumo da história.

Este é o caso das primas Lorenza Margon e Danieli Goltara, que foram mães no mesmo período e encontraram na maternidade o desejo em comum de empreender. “Eu sou fisioterapeuta e a Danieli fez comunicação social. Nós dividíamos as questões da maternidade e a vontade de abrir um negócio. Então buscamos informação e qualificação, até abrirmos nossa loja de moda infantil”, contou Lorenza, à frente da multimarcas Lala & Lele Kids, junto com a sócia.

A loja contou com assessoria e plano de negócio do Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Espírito Santo (Sebrae ES), o que Lorenza entende como um diferencial de seu empreendimento. “O amparo do Sebrae foi importante para começarmos o negócio com uma base mais sólida. Fomos à nossa primeira feira de moda infantil em São Paulo em novembro do ano passado, abrimos nossa loja online em dezembro e, em março, já estaremos com a nossa loja física”, comemorou.

O diretor de atendimento do Sebrae ES, Ruy Dias de Souza, comenta que há muitos negócios bem sucedidos desenvolvidos a partir da maternidade.  “São vários casos pelo país. Há exemplos de mães que buscavam alimentos saudáveis para os filhos e, por conta da dificuldade em encontrar, começaram a desenvolver papinhas orgânicas; produtos antialérgicos e diversos negócios que possuem, em comum, uma especificidade típica de quem vive essas demandas.

Esse é o diferencial do negócio que começa pela maternidade: a experimentação e a necessidade levam ao empreendedorismo, pois é questão de tempo para se darem conta de que aquela também é uma demanda de outras mães”, afirmou.

No entanto, o diretor ressalta que é preciso fazer um estudo de mercado. “Ao decidir empreender, é importante que a mulher busque feedback de outras mães e proximidade com seu público para avaliar o quanto seu produto/serviço está de acordo com a necessidade e satisfação do cliente”, orientou.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.