Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 12-12-2018 às 21:33

Ombro tem que ser foco de cuidado, sim!

Pode ser uma parte do corpo que você só lembra que existe quando sente dor. Mas, antes de chegar nesse ponto, é bom colocar o ombro na lista dos pontos de cuidado. Para Fernanda Surian, esse cuidado é uma virada de chave: "seu treino vai ser outra coisa d

| Creditos: Thais Oliveira

Quem nunca sentiu dor nos ombros? O Crossfit é uma modalidade plural, a gente sabe, que reúne metodologias e exercícios tão diversos que mexem, sim, com todo o corpo. Sabe aquela sensação de que você não sabia que tinha músculo ali? Completamente normal em uma rotina puxada de exercícios. Só que essa história de mexer com todas as partes do corpo, acabamos negligenciando algumas delas, e são as que geralmente se usa para compensar, o ombro é um exemplo clássico.

Para Fernanda Surian, atleta de alta performance dentro do Crossfit, alguns exercícios do WOD deveriam contar com apoio da dorsal e da escápula para manter o ombro no lugar correto, mas, quando não temos o foco certo ou então não estamos no melhor dia, pode acontecer do ombro ter que compensar o trabalho dessas outras partes. Ela conta o resultado: “peso a mais onde não deveria haver e muita dor”.

O ombro é uma das articulações que mais tem tem movimentos e portanto, muito exigida. Segundo Fernanda, uma região mais propensa à dor e com muito mais reclamação de dor do que outras partes: “eu já escutei de alguns coaches, e concordo com essa opinião, que quem não vai competir pode deixar de fazer alguns exercícios que vão colocar o ombro muito em evidência, como o Handstand push up, o Butterfly pull-up ou o Butterfly chest to bar, por exemplo”.

“Talvez não valha a pena correr o risco de lesionar o ombro por compensação, se você não está treinando exatamente para competir, entende? É tudo uma questão de perspectiva. Mas, se não tem jeito, então o caminho é cuidar mesmo”, lembra Fernanda, que conta algumas dicas que funcionam para ela e podem ser úteis para outros atletas:

- Prestar atenção na mobilidade e soltura do ombro;
- Cuidar da ativação, e isso vale, obviamente, pra todas as partes do corpo;
- Ter acompanhamento na hora de começar os exercícios mais específicos, para evitar a compensação de que falei lá em cima;
- Ter sempre foco nos seus próprios limites. Dor não é legal - sentir um pouco depois do treino, ok, mas se a dor persistir, tem que investigar, ok?

 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.