Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 18-11-2018 às 19:43

Digitais Influencers conquistam cenário profissional

Lili Paiva, blogueira e advogada, explica o potencial do influenciador e os direitos adquiridos

| Creditos: Divulgação

Com mais de 116 milhões de brasileiros conectados à internet, muitos já acompanharam dicas, segredos, tutoriais de diversos assuntos que foram elaborados por pessoas conhecidas como Digitais Influencers, a nova profissão que cria celebridades na web.

O alto número de seguidores nas redes sociais e forte engajamento, transformaram os influenciadores em grandes aliados de empresas que enxergam nesse nicho um mercado para a divulgação de produtos e serviços por meio de propagandas inseridas no dia a dia do influenciador, que tem o poder de, em uma única postagem, enaltecer ou reprimir a imagem da marca.

“A última pesquisa realizada pela Associação Brasileira de Comunicação Empresarial, em 2016, mostrou que 65% das marcas passaram a adotar essa estratégia e 20% dos consumidores estavam dispostos a pagar mais por um produto endossado pelos influenciadores. Hoje, com toda certeza, este número está bem maior”, indica a influenciadora digital e advogada especialista em Direito da Família e Sucessões, Lili Paiva.

Porém, nem tudo são flores nesse cenário digital. Os contratos de trabalho entre os profissionais e as empresas, quando existem, não são feitos de forma legal. “As prestações de serviços são autorizadas de maneira absolutamente informal, por meio de conversas pessoais, telefônicas, mensagens ou e-mails, deixando as partes sem nenhuma formalização jurídica”, afirma Paiva.

O Fashion Law, área do direito que envolve todo o universo da moda, desde meio ambiente e trabalho escravo a pirataria e direitos autorais, discute e fomenta a abrangência do marketing de influência e como o campo jurídico pode amparar essa nova profissão. Nada mais coerente do que desenvolver todos os aparatos legais para que essa nova profissão possa ser idônea e dar voz aos influencers digitais que tanto detém o poder de escolha de milhares de pessoas dentro da web.

“Certamente podemos dizer que Digital Influencer é uma profissão nova, sem qualquer previsão na lei até o momento. Existem dois projetos de lei visando regulamentar a profissão de blogueiro e vlogueiro, PLs 4289/2016 e 8569/2017. Enquanto não é aprovada uma lei específica, o ideal é utilizar as regras de prestação de serviços, que possui previsão legal no Código Civil, Código de Defesa do Consumidor, Lei de Direito Autorais, Marco Civil da Internet, normas do CONAR e outras normas aplicáveis”, orienta Paiva.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.