Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 18-11-2018 às 20:18

Mulher que venceu o câncer de mama compartilha experiência em aeronaves

Cleonice, que é agente de Cargas, passará o dia 30/10, terça-feira, conversando com Clientes da companhia no Aeroporto Internacional de Cuiabá - Marechal Rondon

| Creditos: PixaBay

Cleonice Antunes Quaresma, agente de cargas, é uma das Tripulantes da Azul que venceu o câncer de mama e hoje compartilha sua história de superação com diversas pessoas em todo o Brasil. Ela faz parte de uma iniciativa da Azul para o Outubro Rosa, que tem como principal objetivo reforçar a mensagem de que a informação pode salvar vidas, já que o câncer de mama, se detectado precocemente, tem até 95% de chance de cura. Essa ação é realizada nas principais cidades onde a Azul opera, em todas as regiões do Brasil, trazendo histórias de diferentes mulheres que passaram por situações parecidas.   

A Vitoriosa, como são chamadas as mulheres que venceram a doença, estará na próxima terça-feira, 30/10, a partir das 10h, no Aeroporto de Cuiabá, para entrar em aeronaves da companhia e, brevemente, contar sua história de superação para os Clientes que estiverem a bordo.

Entre um voo e outro, Cleonice estará disponível para dar entrevistas, conversar mais sobre essa ação ou sobre sua própria experiência. A imprensa também poderá acompanhar a abordagem dentro dos voos da Azul e conversar com os Clientes sobre o que eles acharam da iniciativa.

Vale lembrar que, segundo o Ministério da Saúde, 60 mil novos casos da doença são diagnosticados anualmente no país. Um número alarmante.

Um pouco mais sobre Cleonice  -  Diagnosticada com câncer de mama em 2011 através de um exame de rotina, a agente de cargas passou por uma cirurgia para a retirada de um nódulo e foi submetida a sessões de quimio e radioterapia. A diferença, porém, é que a doença voltou a afligir a agente de suporte de cargas da Azul em 2015. Dessa vez, Cleonice precisou fazer a mastectomia e teve que realizar novamente o tratamento de quimioterapia e de radio. Em janeiro de 2016, nossa vitoriosa voltou ao trabalho e, em maio deste ano, ela fez a cirurgia para reconstruir a mama esquerda. Cleo conta que quando descobriu o câncer pela primeira vez pensava que iria morrer: “Pra mim foi um susto, aos 36 anos, nunca tive caso de câncer na família, nem nada. Até que um dia fui fazer exames por precaução e saí de lá com pré-diagnóstico de câncer. Foi tudo muito assustador. Eu pensei que iria morrer, mas continuei saindo, viajando, estando com família e amigos e isso fez muita diferença. Pude assim ajudar outras pessoas que estavam se afundando.”

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.