Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 18-11-2018 às 20:17

6 vilas argentinas que têm uma vida eco-friendly

O primeiro capítulo da série apresenta vilas argentinas que se comprometeram com o método de vida sustentável!

| Creditos: Divulgação: CasaCor

Don‘t cry for me, Argentina! Dando continuidade à série de reportagens sobre as Comunidade Sustentáveis das Américas, neste capítulo, destacamos seis vilas argentinas que apostam na sustentabilidade como aliada do modo de vida. Conheça um pouco sobre a história desses povoados e suas práticas eco-friendly:

 

Nave Terra Ushuaia, Argentina

Considerada a cidade mais austral do mundo, o modelo de construção Nave Terra se destaca: o desenho, materiais e orientação permitem que as casas sejam feitas sem necessitar de ar-condicionado ou calefação. Além disso, é auto-suficiente em energia elétrica e água, permitindo o cultivo de alguns alimentos em jardins internos e externos.

 

Técnicas utilizadas na comunidade

Água: sistemas que reutilizam águas de chuvas, estratégias de irrigação, métodos de captura e armazenamento de águas, além da reutilização de águas cinzas, vindas de pias e chuveiros;

Energia: O uso de equipamentos pouco poluentes para fonte de energia, como painéis fotovoltaicos, moinhos ou turbinas que usam o vento, uso de águas quentes e vapores do interior da terra;

Bioconstrução: uso de materiais naturais provenientes do local ou reciclados, design com melhor aproveitamento de espaços – para requerir o menor aproveitamento de recursos o possível –, gomas de borracha, garrafas e latas são muito usados na construção;

Reciclagem: projetos locais desenvolvem técnicas de separação e reciclagem de resíduos sólidos, visando reduzir o impacto na produção;

Educação: atividades educativas para disseminar conhecimento são aplicados no local, como seminários, workshops e programas de estudo.

 

Ecovila Rio Azul, Argentina

Formado por um coletivo de pessoas e famílias, que vivem em um terreno na beira do Rio Azul, o projeto desenvolvido por membros da comunidade visa buscar a forma sustentável que pode ser replicada e demonstrada como experiência sustentável. A divisão é por famílias: as responsáveis por bioconstrução, educação e permacultura.

Água: Reaproveitamento de águas de chuvas, estratégias de irrigação, métodos de captura e armazenamento e reutilização de águas cinzas;

Energia: O uso de equipamentos pouco poluentes para fonte de energia, como painéis fotovoltaicos, moinhos ou turbinas que usam o vento, uso de águas quentes e vapores do interior da terra;

Bioconstrução: os princípios de concepção se preocupam com o meio ambiente, como por exemplo não agressão do local, melhor uso de materiais naturais, provenientes do local ou naturais, além de projetar o design com melhor aproveitamento dos espaços, para requererem o mínimo possível de recursos naturais. Os detalhes da construção garantem longa durabilidade dos materiais e fácil manutenção;

Reciclagem: Projetos locais contemplam diferentes atividades de separação e reciclagem de resíduos, visando diminuir o impacto;

Educação: atividades educativas para disseminar conhecimento são aplicados no local, como seminários, workshops e programas de estudo.

 

Madre Tierra, Argentina

A fazenda familiar agrícola também desenvolve um projeto sustentável. O foco é a cultivo e processamento de alimentos orgânicos. São produzidos uma variedade de massas, molhos, grãos integrais, feijões, frutas secas, hambúrgueres vegetarianos e mais.

Agricultura Orgânica: usam uma técnica de cultivo de alimentos, que mantém as estruturas do solo, sem alterar suas propriedades ou necessitar do uso de produtos químicos e sementes transgênicas. Entre as técnicas estão: cultivo rotativo de alimentos, compostagem, controle biológico de pragas, uso de esterco animal e adubos naturais;

Bioconstrução: princípios sustentáveis de concepção e desenho, como não agressão do local, melhor utilização de materiais e design com melhor aproveitamento de espaços;

Educação: atividades educativas que disseminam conhecimento holístico e sustentável, como seminários, workshops, eventos e programas de estudo;

Permacultura: Promovem o método holístico de planejar, atualizar e manter sistemas de escala humana.

 

 

Granjardín, Argentina

Fundado em 2000, o projeto familiar de permacultura promove atividades educativas, principalmente para jovens com necessidades especiais. Estudantes do Instituto Esperanza cuidam dos animais que vivem por lá, aprendem a reciclar e técnicas de bioconstrução, fornos solares e compostagem.

Agricultura Orgânica: cultiva alimentos mantendo a estrutura original do solo, sem alterar propriedades naturais, utilizar produtos químicos ou sementes transgênicas;

Energias renováveis: energia solar, eólica, hidráulica e geotérmica são usadas na comunidade;

Bioconstrução: princípios sustentáveis de concepção e desenho são aplicadas na construção. Alta planificação e inúmeros detalhes garantem longa durabilidade e fácil manutenção da obra.

Reciclagem: projetos locais promovem separação e reciclagem de resíduos sólidos, pensando em reduzir o impacto ambiental;

Educação: atividades educativas, como seminários, workshops, eventos e programas de estudos são feitos para disseminar conhecimento holístico e sustentável;

Permacultura: promovem o método holístico de planejar, atualizar e manter sistemas de escala humana;

Criação de animais: a criação sustentável de animais que não estão em extinção, com a ajuda de recursos animais, otimiza cultivos e gera subsídios próprios. Entre os bichos estão: peixes, aves, vacas, porcos e cavalos.

 

Comunidade LaBanda, Argentina

Localizada em Luis Beltrán, em Rio Negro, na Patagônia, o projeto desenvolvido pela comunidade local partiu de um grupo de artistas, educadores e ativistas que buscavam uma vida em harmonia com a terra, arte e ecologia.

Agricultura Orgânica: técnica de cultivo de alimentos que mantém estruturas originais do solo sem alterar suas propriedades, utilizar produtos químicos ou sementes transgênicas;

Bioconstrução:  princípios sustentáveis de concepção e desenho, sem agredir o local e visando o melhor uso de materiais;

Permacultura: valorização do método holístico de planejar, atualizar e manter sistemas de escala humana.

 

 

 

Amatreya, Argentina

A comunidade, fundada a partir da fusão de duas outras – uma argentina, e outra uruguaia –, fica nas montanhas ao sul de Córdoba. Unida pela visão do mundo espiritual, que orienta o local a ser uma cidade de luz, vivendo com reserva natural em harmonia com a natureza.

Agricultura Orgânica: técnica de cultivo de alimentos que mantém estruturas originais do solo sem alterar suas propriedades, utilizar produtos químicos ou sementes transgênicas;

Água: estratégias como reaproveitamento de águas de chuva, de irrigação, de métodos de captura e armazenamento de águas e reutilização de águas cinzas são aplicadas;

Energias Renováveis: provenientes de recursos naturais, energia solar, eólica, hidráulica e geotérmica são usadas;

Bioconstrução: princípios sustentáveis de concepção e desenho, sem agredir o local e visando o melhor uso de materiais;

Educação: atividades educativas, como seminários, workshops, eventos e programas de estudos são feitos para disseminar conhecimento holístico e sustentável;

Permacultura: Promovem o método holístico de planejar, atualizar e manter sistemas de escala humana.

A CASACOR produz uma série de oito matérias, agrupadas por países, que apresentam esse modo de viver em harmonia com a natureza e os animais. Clicando aqui, você confere um mapa interativo dos países que apostam na sustentabilidade como estilo de vida e quais os preceitos que as comunidades devem seguir.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.