Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 18-11-2018 às 20:01

Instalações artísticas fazem espectador repensar o consumo do plástico

Estruturas de animais projetadas com sucata e um pavilhão aquático interativo faz com que o uso do plástico seja repensado através da arte

Underwater Pavillions, de Doug Aitken. | Creditos: Divulgação/CASACOR

Em 2018, o plástico foi escolhido o material do ano pelo London Design Festival, evento britânico de referência no segmento, a fim de motivar o espectador a repensar o uso do objeto no futuro. Também neste ano, o plástico vem sendo considerado um dos principais inimigos do meio ambiente. O motivo é o tempo de decomposição: pode levar de 400 anos para se decompor, até nunca se desintegrar completamente.

Pensando nisso, novas formas de conscientizar a sociedade tem sido uma aposta de ativistas e artistas. Abaixo, separamos duas instalações artísticas que motivam o público a repensar no consumo.

 

Wild Wild Waste, de Artur Bordalo

O artista português Artur Bordalo, mais conhecido como Bordalo II, usou um motel abandonado em Las Vegas como palco para sua arte. Animais gigantes, feitos de sucata, ocuparam o terreno abandonado e compõem a exposição Wild Wild Waste – Selvagem desperdício selvagem, em tradução livre –, como parte da programação do festival de música e artes Life is Beautiful.

Bordalo é reconhecido por sua arte ativista, e suas obras buscam sempre alertar sobre abuso de animais, poluição e consumismo exacerbado. Em Wild Wild Waste, seis esculturas são expostas e foram feitas em parceria com a Justkids.

Um leão debilitado, deitado em um baú de caminhão; uma baleia presa em redes de pesca e rodeada por pneus velhos; pinguins cercados por lixo, a família de macacos e pandas, compostas por partes de um carro e os ursos em metal fazem parte das instalações, e são produzidas somente com lixo achado em fábricas abandonadas, centros de reciclagem e lixeiras.

 

Underwater Pavilions, de Doug Aitken

Desenhadas pelo artista Doug Aitken e pelo ativista Cyrill Gustch, Underwater Pavillons – pavilhões submarinos, em tradução livre – é uma instalação de arte que imerge no oceano e interage com mergulhadores e a vida marinha.

A instalação é uma parceria com o Museu de Arte Contemporânea de Los Angeles e consiste em três esculturas produzidas com pedras e superfícies espelhadas. Quando imersa 4 m abaixo do nível do mar, o pavilhão muda de posição de acordo com os movimentos da água. A incisão da luz também varia de acordo com os ângulos.

A principal preocupação de Doug é lutar pela preservação aquática, e foca sua carreira em criar projetos para a proteção dos mares, junto com a organização Parley For the Oceans, que atua na eliminação de plástico dos oceanos. Os ativistas pretendem espalhar outros pavilhões pelo mundo. Confira abaixo o vídeo da produção: 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.