Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 11-12-2018 às 10:44

Manchas de pele: quais são e como tratá-las

Dermatologista explica as principais formas que as manchas aparecem na pele e como remediar os efeitos

| Creditos: PixaBay

Qual é sua rotina de cuidados com a pele? Não adotar o hábito de limpá-la, usar filtro solar e outros passos importantes contribui com o aparecimento de manchas. Saiba quais são as mais comuns e como tratá-las:

 

Sardas

As sardas (ou efélides) são manchas arredondadas ou geométricas de cor castanha ou marrom, causadas pelo aumento da melanina (pigmento que dá cor à pele). Existe uma tendência familiar e as sardas surgem principalmente nas pessoas de pele clara (fototipo I e II) e ruivas. São causadas pela exposição continuada da pele ao sol e tendem a escurecer mais durante o verão. Por isso surgem nos locais mais expostos ao sol, como a face, ombros e colo.

O tratamento inclui o uso de protetores solares sempre que houver exposição da pele ao sol ou mormaço e o uso de substâncias despigmentantes associadas a alguns tipos de ácidos. Peelings superficiais e luz intensa pulsada podem acelerar o processo de clareamento. O tratamento deve ser orientado de acordo com cada caso, pelo médico dermatologista.

 

Manchas na Gravidez

O período gestacional é muito delicado e é possível que apareçam algumas manchas no rosto da gestante, devido à alteração hormonal e à possível exposição ao sol. Essas manchas são chamadas de cloasmas. O tratamento consiste no uso de protetores solares sempre que houver exposição da pele ao sol ou mormaço e no uso de substâncias despigmentantes e ácidos permitidos durante a gestação. Microdermoabrasão pode ser associada para acelerar o clareamento.

 

Melanose solar (mancha senil)

As melanoses solares são manchas escuras, de coloração castanha a marrom, geralmente pequeninas, mas que podem chegar a alguns centímetros de tamanho. Como aparecem em consequência do dano causado pelo sol ao longo dos anos, surgem apenas nas áreas que ficam muito expostas ao sol, como face, dorso das mãos, braços, colo e ombros. São mais frequentes em pessoas de pele clara.

O dano solar acumulado ao longo dos anos induz ao aumento do número de melanócitos (célula que produz o pigmento que dá cor à pele) e da sua atividade, produzindo mais melanina e escurecendo a pele.

O ideal é a prevenção do surgimento das manchas, que deve ser feita através do uso de proteção solar nas áreas continuamente expostas ao sol.

O tratamento pode ser feito de várias maneiras:

- cauterização química

- criocirurgia

- peelings químicos

- luz intensa pulsada

Os resultados costumam ser bons, desde que a técnica seja empregada de forma adequada.

 

Melasma

É um distúrbio pigmentar da pele caracterizado por manchas escuras localizadas principalmente no rosto. É mais comum em mulheres.

O Melasma é causado por vários fatores: predisposição genética, alterações hormonais (gravidez e uso de anticoncepcionais), entre outros. É fundamental, entretanto, a presença da radiação ultravioleta e, em menor intensidade, o infravermelho.

O aumento na pigmentação ocorre por um aumento da quantidade e/ou da função dos melanócitos que são as células responsáveis pela produção de melanina (pigmento cutâneo).

Existem três tipos de Melasma: superficial, profundo e misto; sendo os dois últimos os mais difíceis de tratar.

Para o tratamento do Melasma é fundamental o uso de protetores solares potentes sempre que houver exposição da pele ao sol ou mormaço, de preferência os protetores que contenham filtros físicos, que bloqueiam a passagem da radiação UV, como o dióxido de titânio.

O tratamento é feito com o uso de substâncias despigmentantes, aplicadas na pele. A associação dos despigmentantes com alguns tipos de ácidos geralmente aumenta a sua eficácia. Quando o pigmento se localiza mais profundamente, a melhora é mais difícil, exigindo persistência para a obtenção de um bom resultado. Peelings superficiais podem acelerar o processo, facilitando a penetração dos despigmentantes e ajudando a remover o pigmento das camadas superiores da pele.

O uso do laser fracionado não ablativo tem mostrado excelentes resultados no tratamento do Melasma.

O tratamento deve ser orientado pelo dermatologista, de acordo com cada caso.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.