Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 15-11-2018 às 03:30

31 de julho, o dia do prazer

| Creditos: PixaBay

Criado em 1999 por sex shops britânicos, o Dia do Orgasmo é comemorado em 31 de julho e foi criado para estimular o debate sobre o tema, que ainda é considerado tabu.

De acordo com a ginecologista Flávia Fairbanks, membro da Comissão Nacional Especializada em Sexologia da FEBRASGO, o orgasmo pode ser descrito como o “ponto máximo do prazer, desencadeado pela liberação da tensão sexual que foi acumulada durante as preliminares.”

Os benefícios do orgasmo entram em campo tanto no aspecto biológico quanto no psicológico.

No caso dos homens, ao ser seguido de ejaculação, pode ser fator importante para a reprodução. Assim como acontece com o sexo masculino, para as mulheres, as sensações de prazer trazem um sentimento de bem-estar e permitem que a pessoa esteja mais aberta a novas experiências.

Dessa forma, é compreensível o porquê desse momento ser desejado por muitos. No entanto, não são todos que o atingem.

Segundo um estudo feito pelo Prosex (Projeto de Sexualidade da Universidade de São Paulo), no ano passado, metade das mulheres brasileiras não tem orgasmo nas relações sexuais. Isso acontece, pois essa reação depende não só de fatores físicos, mas também psicológicos. As mulheres precisam estar bem consigo mesmas e abertas a atingir esse ponto durante a atividade sexual.

“Muitas mulheres, principalmente as modernas, estão acostumadas a terem sempre o controle da situação e não se permitem relaxar durante a relação. Isso impacta do ponto de vista emocional”, declara Flávia. Além disso, a frustração de não atingir o ápice nas primeiras vezes é porta de entrada para um ciclo que torna cada vez mais difícil atingir o orgasmo.

Outro fator muito discutido é a existência do ponto G, que seria uma zona localizada na vagina, que estimulada poderia levar ao orgasmo. 

De acordo com a ginecologista, o tal ponto misterioso não existe. “Biologicamente falando, não há nenhuma área anatômica. O que acontece é que quando estimulado, o órgão sexual feminino retém sangue e fica mais sensível, levando a mulher ao orgasmo com mais facilidade.”

A partir disso, o conhecimento do próprio corpo é essencial para que a mulher possa identificar seus pontos de prazer e guiar a parceria sexual para os lugares que devem ser estimulados.

Além do mais, de acordo com Flávia, é ideal que se tenha paciência e que se demore mais durantes as preliminares. “Esse momento é muito importantes porque a excitação feminina pode ser um pouco mais demorada do que a do homem, as preliminares funcionam justamente para que se tenha um tempo adequado para a excitação”.

A ginecologista ainda aponta como solução para a falta de orgasmo, a ajuda de especialistas na área que podem esclarecer o problema e até guiar a pessoa para uma terapia sexual adequada e que, ao final, pode ter bons efeitos. “Não garanto que depois da terapia a pessoa vai ter orgasmo em todas as relações sexuais, mas de fato torna a vida sexual mais prazerosa”, comenta Flávia.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.