Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 26-09-2018 às 08:19

Conviver com a dor não é normal

| Creditos: PixaBay

Cerca 92% da população da terra sente dor pelo menos uma vez na vida. A dor é a forma que o organismo tem para avisar que algo não está certo. Elas podem indicar doenças que não seriam diagnosticadas se o nosso corpo não usasse essa ferramenta como um alerta e passariam despercebidas, causando um mal maior no futuro.

Para conscientizar médicos e pacientes, foi criado o Dia Internacional de Luta contra a Dor, comemorado em 28 de maio.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a dor é um problema que atinge atualmente 42% da população. Os idosos são os mais atingidos. Aproximadamente 51% deles sofrem com dores pelo corpo.

Caso a dor seja constante, ela deve ser avaliada por um médico para descartar a possibilidade de essa ser uma dor crônica.

“A dor é considerada crônica quando é constante e dura mais de três meses”, explica o neurologista José Geraldo Speciali, membro da Academia Brasileira de Neurologia (ABN).

Essas dores podem ter origem neuropática, ou seja, causadas por lesões no sistema nervoso (medula, raiz nervosa, nervos periféricos); ou dores nociceptivas, decorrentes de traumas ou outras lesões nas articulações, tendões, músculos, ossos, ligamentos etc.  

De acordo com o Mapa da dor Crônica no Brasil, as três dores crônicas mais recorrentes
atingem as costas (lombalgia), a cabeça (enxaqueca) e as relacionadas ao câncer. “De acordo com um estudo feito recentemente no Canadá, também podemos colocar nessa lista a dor na nuca e no quadril. As dores crônicas aparecem, de maneira geral, entre as primeiras doenças mais prevalentes na população”, conta o neurologista.

Um alerta para as mulheres: as dores são mais comuns na população feminina, em todas as idades. Isso se explica porque as mulheres são mais cuidadosas com a sua saúde do que os homens, então procuram mais precocemente e mais frequentemente o auxílio médico. Outra explicação é que os hormônios femininos como estrógeno e progesterona facilitam a ocorrência de dor.

A boa notícia é que todas as dores crônicas têm tratamento. O ideal, nesses casos, é descobrir qual a causa da dor e tratá-la. Se a causa é  curável, o tratamento será feito e a dor desaparecerá.

“Essas dores, em geral, são quase impossíveis de serem tratadas com um único profissional porque o tratamento de uma dor crônica não é só receitar uma medicação. É uma dor rebelde, resistente, que exige um tratamento multidisciplinar, envolvendo médicos, fisioterapeutas e psicólogos”, explica Speciali.

Para o neurologista, além conscientizar a população que ninguém deve sentir dor sem tratamento médico especializado, o Dia Internacional de Luta contra a Dor é importante para conscientizar os médicos de que essas dores existem. “Às vezes, o médico não dá muita importância para dor crônica porque elas não aparecem nos exames, então o objetivo é conscientizá-los de que dor crônica pode existir na ausência de doenças demonstráveis. Esclarecendo a população, isso conscientiza o médico e as autoridades públicas, contribuindo para o aumento no número de pessoas tratadas”, finaliza.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.