Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 24-09-2018 às 07:08

De médico, marqueteiro e louco, todo mundo tem um pouco

Gislayne Muraro é diretora da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil - Seção Paraná (ADVB-PR) | Creditos: Herone Fernandes Filho

Costuma-se dizer que todo mundo (acha que) entende de futebol no Brasil: somos mais de 200 milhões de técnicos da seleção brasileira dando pitacos na escalação o tempo todo. Mas isso não acontece só com o Tite. Nós, marqueteiros e marqueteiras, também enfrentamos um pouco disso, ainda mais em um País como o Brasil, onde o gosto pela propaganda é bastante evidente na população, e todo mundo comenta e opina sobre ações de marketing.

Recentemente, passei o feriado com minha família em um hotel que me atraiu por conta da excelente comunicação publicitária. Tudo estava engrenado: site bem feito com fotos maravilhosas, campanha atraente, ações de marketing digital e de remarketing. Tudo impecável. E, assim, fui convencida e atraída a comprar e consumir o produto. No entanto, se me perguntarem se voltarei ao hotel, a resposta será um enfático NÃO! A boa comunicação e posicionamento da marca conseguiram me atrair, mas isso não basta. Os diversos problemas de atendimento, instalação, má vontade e falta de preparação dos funcionários impedem de me tornar uma fiel consumidora.

Essa experiência me remeteu a um ponto importante do livro “Marketing e comunicação na era pós-digital”, de Walter Longo, que fala que a diferença entre a teoria e a prática na gestão de marketing é que, na teoria, tudo é lógico e centralizado, e na prática, o processo que envolve a preservação e cuidado com a imagem da marca acaba sendo executado por outros departamentos, e muitas vezes, sem o envolvimento do marketing. Apenas os esforços e competências na comunicação não garantem fidelidade de um comprador. Cada vez mais os profissionais de marketing precisam ter um perfil de general e controlar com mais precisão e assertividade as ações da empresa, afinal, “não tem coisa pior que propaganda boa para um produto ruim”.

É claro que a voz de toda torcida (empresa) precisa ser ouvida: muitas vezes, quem vê de fora consegue enxergar detalhes que passam despercebidos por quem está envolvido no trabalho. Mas, ser um profissional de marketing não é para todo mundo. Dedicação, esforço e estudo fazem parte do processo para se tornar um. É claro que todos podem influenciar positiva e negativamente a imagem de uma marca, mas cabe ao marqueteiro identificar a melhor forma de lidar com isso, criando estratégias e táticas que garantam o posicionamento desejado.

Não é fácil, né? Mas, se fosse fácil, qualquer um faria. Mãos à obra!

 

Sobre a especialista

Gislayne Muraro é publicitária com especialização em planejamento e gestão de negócios e desenvolvimento gerencial. Diretora da Associação dos Dirigentes de Vendas e Marketing do Brasil - Seção Paraná (ADVB-PR), lidera há 7 anos a área de marketing do Grupo Massa onde ocupa o posto de diretora de marketing.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.