Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 15-11-2018 às 02:55

Utilização de bicicleta traz melhoria para saúde pública nacional

O estudo Economia da Bicicleta no Brasil, feito pela Aliança Bike em parceria com o LABMOB da UFRJ, mostra que políticas públicas em favor da bicicleta como meio de transporte traz cenário estimulante na saúde pública do país

| Creditos: PixaBay

Os números são impressionantes: 

A expectativa de vida do paulistano é reduzida em 3,5 anos por causa da poluição do ar.
050 pessoas morreram em 29 cidades de regiões metropolitanas vítimas da exposição a materiais particulados e isso gerou um gasto de US$ 1,7 bilhão no orçamento do Ministério da Saúde.
98% dos casos estudados, caminhar e pedalar gera benefícios à saúde que só seriam superadas pelos malefícios da exposição à poluição após 16 horas e 7 horas, respectivamente.
Inalar o ar de São Paulo durante duas horas por dia pelo período de 30 anos pode ter impacto equivalente ao de um fumante leve.
 

Estes e outros dados fazem parte de Saúde, uma das temáticas, distribuídas em cinco dimensões, do estudo Economia da Bicicleta no Brasil. O levantamento, inédito no Brasil, apresenta vários estudos sobre os benefícios que o uso diário da bicicleta traz à população e o impacto que as doenças causadas pela inalação de partículas têm nos cofres públicos.

De acordo com uma pesquisa feita no ano de 2015, enquanto prática de exercício físico, o uso da bicicleta reduz o risco de obesidade, melhora o condicionamento e a taxa de circulação sanguínea, tratando de problemas ligados à ansiedade e até mesmo possibilitando um maior desenvolvimento de neurônios que trabalham em aprendizado. Além disso, o ato impacta na redução dos riscos de doenças crônicas, como derrame, diabetes tipo dois e também alguns tipos de câncer. 

Aumento da autoestima, melhora do humor, da qualidade do sono, redução do estresse, da depressão e do Alzheimer também são benefícios ligados ao uso constante da bicicleta.

O estudo A Economia da Bicicleta no Brasil também mostra que a participação de transportes motorizados na emissão de poluentes atmosféricos corresponde à 90%, englobando veículos leves, leves comerciais e veículos pesados que circulam pela cidade de São Paulo. O custo desses efeitos equivale a 7,5% do PIB paulistano.

O ato de pedalar deve ser incentivado, justamente, como estímulo à redução da poluição atmosférica causada por veículos motorizados, além de trazer benefícios reais a saúde das pessoas.

Em 1979, na Primeira Conferência Mundial do Clima, que aconteceu em Genebra, o Brasil se prontificou a investigar seus impactos climáticos. Em 2016, na última conferência, foi adotado um acordo entre 195 países, com o objetivo de fortalecer a resposta global à ameaça da mudança do clima e reduzir as emissões de gases de efeito estufa. O Brasil comprometeu-se a diminuir até 43% até 2030.

 

A economia da bicicleta no Brasil

O levantamento, que levou pouco mais de um ano para ser concluído, mostra qual a participação da bicicleta na economia nacional e responde a perguntas como: quantos empregos o setor gera, quantas bicicletas, partes e peças são produzidas e importadas? Quantas lojas de bicicletarias existem no Brasil e qual o impacto do uso desse meio de transporte ativo no orçamento familiar? Quanto é investido em estrutura cicloviária, no país, ao longo de um ano?

"Nossa ideia com o estudo é, além de trazer um retrato preciso do setor, ajudar gestores públicos na tomada de decisões relacionadas ao uso da bicicleta, oferecer informações mais precisas à imprensa para divulgar e incentivar o uso desse meio de transporte, assim como pesquisadores da academia ganham suporte extra para estudar e aprofundar a interdisciplinaridade da bicicleta", explica Daniel Guth, coordenador de projetos da Aliança Bike e organizador deste estudo.

O estudo se baseia em dados primários e secundários, estes produzidos por órgãos do governo federal e institutos como o IBGE, MDIC, além de apresentar vários estudos de casos. A estrutura do estudo está dividida em cinco dimensões: Cadeia Produtiva, Políticas Públicas, Transportes, Atividades Afins e Benefícios. Conta com 22 temáticas distribuídas nesses grupos, que mostram números inéditos sobre geração de empregos, exportações, ciclologística, cicloturismo, investimentos em produção científica, cicloativismo, entre outros.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.