Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 20-09-2019 às 22:28

Sexóloga afirma que masturbação feminina não pode ser tabu

Manter uma vida de sexual sem preconceitos e se entregar na "hora H" aumenta a autoestima, afirma sexóloga Carla Cecarello

É muito importante a pessoa conhecer o próprio corpo | Creditos: shutterstock

 

Quem diria, até a masturbação agora tem mês para ser comemorada e praticada. É isso mesmo. Para quem ainda não sabe,maio é o Mês Internacional da Masturbação. Mas o tema ainda é visto como tabu, principalmente quando a masturbação é praticada pela ala feminina. Os homens desde cedo são incentivados a conhecer seu corpo e a sentir prazer. Por isso, a masturbação masculina ocorre de forma natural e sem medo de censura. Ao contrário, as mulheres passam o tempo sem que muitas delas conheçam o próprio corpo e, por este motivo, têm dificuldades até mesmo de alcançar o orgasmo.

Para a sexóloga do site de encontro casuais C-date(www.c-date.com.br),Carla Cecarello,uma vida sexual bem resolvida é importante tanto para autoestima quanto para a saúde. Segundo a especialista, quem tem mais vontade de cuidar de si mesma, tanto no lado pessoal quanto no espiritual, além de investir mais no próprio conhecimento, ganha mais no prazer e na qualidade de vida ou até mesmo nos relacionamentos.

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), para ter uma boa qualidade de vida é preciso ter quatro pontos em equilíbrio: vida em família, trabalho, lazer e sexo. Isso mesmo SEXO. Portanto, cuidar da vida sexual é importantíssimo para obter êxito em todas as demais áreas da nossa existência.“Quando a pessoa vive aprisionada por tabus ela tende a ser mais fechada, inibida e desconfiada”, salienta Carla. Para a sexóloga do C-date, a maioria dessas pessoas é preocupada com que os outros pensam e dizem e acabam não se permitindo experimentar suas próprias vontades.Definitivamente, para que o sexo seja satisfatório, é importante que haja entrega.Os preconceitos estão relacionados com os conceitos, com as concepções errôneas, que se aprende desde a infância e que, na maioria das vezes, não paramos para questionar se é assim mesmo que as coisas funcionam. “Por isso, a falta de informação pode levar a uma infelicidade sexual, bem como a uma limitação na expressão sexual que se, a pessoa parasse para ler mais, se informar mais, poderia melhorar muito a própria vida sexual e ter uma maior qualidade de vida”, afirma Carla Cecarello.

Uma das formas de se libertar dos tabus e viver uma vida menos regrada ou não tão conservadora sobre o tema, segundo a especialista, é sair em busca de informações. Para ajudar as mulheres Carla Cecarello lista os nove principais tabus sexuais da mulher e como se livrar deles.

Masturbação: é muito importante a pessoa conhecer o próprio corpo.É através desse conhecimento que ela vai saber o que gosta ou não. “Com o toque, pouco a pouco a pessoa se descobre, descobre novas sensações, se desprende e passa a se respeitar mais”, comenta a especialista.A sexóloga do C-date afirma que a masturbação permite que a mulher se conheça. “É com o toque que ela aprende a fantasiar, a imaginar situações, permitindo que ela vá à busca de objetos diferentes na hora da masturbação e conheça melhor seu próprio corpo”, ressalta.

Sexo anal:algumas mulheres têm medo de praticar o sexo anal por acreditar que a prática pode prejudicar a saúde. “A prática tem uma conotação negativa, pois muita gente acredita que o sexo anal está ligado a promiscuidade e a coisas de baixo nível, além de existir o mito de que a mulher que pratica é considerada vagabunda. O que existe é uma desinformação em torno da prática do sexo anal”, explica a sexóloga. Para praticar sem medo, a especialista orienta a buscar informações corretas de como praticar, de confiar no parceiro e sempre usar preservativo para evitar infecções e doenças sexualmente transmissíveis.

Orgasmo: o ápice do prazer não passa de um mito para algumas mulheres, pois muitas descobrem ter dificuldade para atingir o orgasmo. Carla explica que o orgasmo está relacionado à entrega emocional e sexual. “A mulher que tem orgasmo é aquela que conhece melhor o seu próprio corpo. Para se livrar desse tabu, ela precisa aprender a se masturbar, descobrir as suas próprias sensações e vencer essas barreiras de se tocar e olhar os órgãos genitais”, conta Carla. A sexóloga ainda diz que o orgasmo está relacionado a uma relação de confiança com o parceiro ou parceira.

Sexo casual: o sexo sem compromisso é algo novo principalmente para as mulheres, já que se trata de uma pratica que não há vinculo afetivo. Carla conta que no sexo casual não há sentimentos, existe apenas o sexo pelo prazer. “A mulher não foi educada para isso e sim para ter sexo com compromisso e sentimentos. Mas, é algo que ela precisa ler e entender que buscar o sexo apenas por prazer é um direito dela e que ela não se tornará uma qualquer só porque vai em busca de algo que faz bem a ela”, explica a sexóloga.

Sexo a três: um dos fetiches preferidos dos homens ainda é mal visto pelas mulheres. Carla explica que é preciso primeiro ter vontade de praticar o sexo a três e entender que se trata de algo íntimo. “Para praticar sexo a três é importante que a mulher não se sinta em uma posição de promiscuidade, já que ela aprendeu que o sexo é feito com um homem e uma mulher”, conta a sexóloga. Para se jogar de vez no ‘ménage à trois’ é importante conhecer a si mesma e conhecer os seus limites!

Sexo com pessoas do mesmo sexo: Carla conta que se a mulher se sente atraída por pessoas do mesmo sexo, basta não ter medo e se jogar!

Medo de transar por se achar gorda: a sexóloga conta que muitas mulheres passam por isso porque existe uma ideia de “corpo perfeito” que muitas não conseguem alcançar e acabam se inibindo sexualmente por não atingir o padrão de corpo malhado e magro. “É importante gostar de si mesma e entender que a mulher não é um corpo, ela é muito mais do que isso! Para se livrar da questão física, busque valores e acredite no que você tem de melhor, como um sorriso ou simpatia que vai chamar atenção para uma transa”, conta a especialista. A sexóloga ainda conta que ser divertida sexualmente e participativa durante o sexo é muito melhor do que ter apenas um corpo bonito.

Tomar a iniciativa: isso não é exclusividade do terreno masculino. Muitos homens gostam de se sentir desejados e algumas mulheres pensam que só o parceiro deve procurá-la. “Se a mulher pensa assim, ela está pensando de forma muito ultrapassada e é bom conversar com as pessoas para ter outras visões. Tomar a iniciativa mostra que a mulher tem interesse no sexo e para os homens demonstra que a relação tem muita intimidade”, completa a sexóloga.

Sobre o C-date

Fundado em 2008, o C-date foi o primeiro site de encontros casuais da Europa. Atualmente está presente em 35 países e tem mais de 15 milhões de usuários. Todos os dias, mais de 20 mil novos membros - homens e mulheres - se inscrevem no C-date. O perfil dos usuários é composto por pessoas com idade entre 30 e 50 anos e que procuram viver aventuras sem compromisso, de forma elegante.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.