Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 20-10-2018 às 09:56

Carolina Videira leva educação inclusiva às escolas públicas

Ser mãe de uma criança com necessidades especiais não é nada fácil. Carolina, assim como tantas outras mulheres, sabe bem disso. Hoje, além de mãe, ela é fundadora da Turma do Jiló, uma associação sem fins lucrativos que oferece educação inclusiva

A associação sem fins lucrativos oferece educação inclusiva às escolas públicas de São Paulo por meio de programas de diversidade. | Creditos: Scaramella Press

“Inclusão não é só deficiente. A gente tem um problema sério de inclusão social, a gente fala sobre as diferenças de raça, de gênero, de religião - isso tudo é inclusão. A inclusão é a diversidade.”
Só quem convive com os desafios da diferença sabe o quão difícil é provar para o mundo que todos possuem potencial - basta uma oportunidade para a pessoa voar. Carolina Videira, quando fundou a Turma do Jiló, tinha este como principal objetivo: dar às pessoas com algum tipo de deficiência a chance de aprender, crescer e se desenvolver intelectual e socialmente.

João, seu filho, é hipotônico e teve essa oportunidade mesmo com todos os desafios impostos, mas e as outras pessoas na mesma ou em situações com necessidades parecidas? Isso a motivou a fundar a Turma do Jiló em 2015, depois de estudar bastante sobre inclusão fora do Brasil. Turma, porque ela contou com a ajuda de alguns amigos para criar a instituição; e Jiló, pois esse é o apelido do João na escola.

A associação sem fins lucrativos oferece educação inclusiva às escolas públicas de São Paulo por meio de programas de diversidade. No final de 2017, a turma já contabilizava 1600 crianças atendidas e 160 professores capacitados. Devido ao esforço e à dedicação da equipe, eles começaram 2018 com um grande salto: o número de atendidos passou para 4200 crianças e mais de 300 professores capacitados.

Os desafios de Carolina, seu marido e o pequeno João começaram bem antes da fundação da Turma do Jiló e não acabaram. Pelo contrário, depois de fundada a associação, eles só cresceram. Contudo, isso não foi motivo para Carolina desistir de sua missão. Agora, por exemplo, o maior desafio é escalonar o projeto, conseguir atender mais do que as 5 escolas ajudadas até o momento e fazer isso no Brasil todo de tal forma que o grande sonho de Carolina se realize: de o Turma do Jiló deixar de existir por não precisar mais ensinar inclusão, pois um dia as crianças já nascerão sabendo tudo sobre o assunto.

Carolina Videira representa a infinidade de mães na mesma ou em situação parecida. Sua dedicação e força de vontade a trouxeram até aqui e a tornam uma mente diferente.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.