Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 20-09-2019 às 23:41

Pesquisa aponta a rede social mais utilizada para buscar vagas de estágio

Levantamento inédito também revelou que boa parte dos entrevistados conquistou uma vaga com o auxílio de sites especializados

Uma das vantagens é que essas ferramentas normalmente são gratuitas para os candidatos | Creditos: Divulgação

Ninguém duvida que a internet revolucionou a busca pelo emprego. O uso de sites especializados e redes sociais para compartilhamento de vagas e divulgação de processos seletivos facilitou a vida de candidatos e empresas. Um levantamento feito pela Companhia de Estágios, consultoria especializada em programas de estágio e trainee no Brasil, revelou que mais de 30% dos jovens que conquistaram uma oportunidade de estágio recentemente, o fizeram através de sites ou redes sociais.

Essa tendência não é novidade, há tempos os tradicionais anúncios de jornal foram substituídos pelos posts, tanto para quem procura uma vaga, quanto para empresas que precisam preencher postos de trabalho. Entre os estudantes, essa característica é ainda mais dominante: a pesquisa que contou com mais de 1.700 jovens de todo território nacional demonstrou que a principal ferramenta para busca de emprego é o Facebook. A rede mais popular do mundo está à frente até mesmo de sites especializados como o LinkedIn na hora de procurar vagas. E a razão pela qual 35% dos participantes afirmaram utilizar a rede de Mark Zuckerberg também para fins profissionais é, sobretudo, a praticidade – “A oportunidade chega até você sem que precise fazer grandes buscas, elas aparecem na sua timeline enquanto você navega. Também é muito comum ver amigos compartilhando vagas e marcando outras pessoas que estão procurando emprego.” – explica a estudante de psicologia, Fernanda Machado.

A rede profissional

Os brasileiros simplesmente amam redes sociais, desde os tempos de Orkut, esses sites para relacionamento e círculos de amizade fazem sucesso considerável por aqui. E a rede que popularização termos como “curtir” e “compartilhar” conquistou a preferência dos usuários locais: o último levantamento do próprio Facebook apontou que 45% dos brasileiros acessam a rede frequentemente e mais de 2 milhões de empresas utilizam a plataforma de anúncios para prestação de serviços, venda de produtos e também anúncio de oportunidades de trabalho. Atualmente, não basta ter um site, para conseguir alcançar seu público, a empresa também tem que ter presença nas redes sociais. Da mesma forma, as empresas utilizam cada vez mais a análise do perfil do candidato nesses sites, como critério de seleção e de verificação de informações.

O engajamento dos usuários é outro ponto que faz dessa ferramenta uma forte aliada para os recrutadores: “O envolvimento dos usuários é muito grande, ainda mais em tempos de crise, como a que o país atravessa. Esse tipo de post é visto como uma prestação de serviço à comunidade, sendo amplamente compartilhado na rede por milhares de usuários. Essa colaboração aumenta o alcance da publicação e impacta exatamente quem precisa.” – explica Tiago Mavichian, diretor da consultoria.

Juntos, Facebook e LinkedIn somam 68% das redes sociais utilizadas pelos entrevistados para procura de vagas de estágio, e a vantagem do Facebook em relação à maior rede especializada em contatos profissionais, especialmente entre os jovens, se deve por razões comportamentais: “Normalmente o jovem que busca estágio ainda não tem seu perfil profissional claramente definido ou suficientemente atraente a ponto de ser competitivo em uma rede de negócios. Além disso, o uso do Facebook para interação pessoal é mais atraente e até mesmo mais amigável para o jovem. Dessa forma é natural que, passando mais tempo conectado, aumentem as chances de que algum relacionamento profissional também surja nessa rede.” – explica a psicóloga Greta Sunhog.

O tal Q.I. – Quem indica

Quem precisou enfrentar um processo seletivo, ou tentou conquistar uma vaga da maneira tradicional, de porta em porta, com certeza já ouviu a velha expressão “Q.I.”. Esse termo utilizado para denominar aquele que conseguiu uma oportunidade graças à um contato pessoal, ou à indicação de um conhecido às vezes irrita muitos candidatos que estão na fila do emprego. E por mais que o mercado esteja passando por transformações, a tal “indicação” também marcou presença na pesquisa de carreira e mercado realizada pela Consultoria: 24% dos entrevistados que conseguiram uma vaga de estágio afirmaram que o fizeram graças à indicação de terceiros.

“É frustrante, muitas vezes você percebe que a pessoa não é a mais preparada ou mais dedicada à oportunidade, mas acaba sendo contratada pelo fato de conhecer alguém dentro da empresa.” – opina Fernanda. Essa situação pode ser bastante comum, especialmente no começo da vida profissional do jovem, que sem muita experiência não sabe como ser competitivo diante de uma entrevista, cabendo-lhe procurar oportunidades através de terceiros. Apesar de não diminuir o mérito do candidato, a indicação pode representar um risco tanto para empresa quanto para profissional se o perfil do candidato não for bem avaliado. “Indicar não é um problema desde que a indicação passe por todas as etapas do processo como os demais candidatos” -  afirma Tiago Mavichian.

Ajuda profissional aumenta as chances de sucesso

De fato, para fugir do “quem indica” a solução mais adequada é buscar ajuda profissional. Na frente do tal “Q.I.” apenas sites de recrutamento tiveram um percentual superior, em relação à conquista de uma vaga de estágio. Mais de 26% dos entrevistados conseguiram uma oportunidade de trabalho graças ao auxílio de consultorias especializadas.

Metade desses jovens afirmam possuir cadastro em, pelo menos, 5 sites de seleção de vagas e apenas 1% deles não fazem uso desse tipo de recurso. Isso significa que o meio mais eficaz de conseguir uma vaga de estágio é através de sites especializados, de acordo com a pesquisa. A grande vantagem é que essas ferramentas normalmente são gratuitas para os candidatos, e toda intermediação entre candidato e empresa é feita por recrutadores especializados, com sistemas aprimorados de seleção. Além de reduzir o tempo de procura e a necessidade de deslocamento, a ajuda profissional aumenta as chances de sucesso, uma vez que a escolha do candidato mais adequado é a principal preocupação dos processos realizados por essas empresas.

Outro motivo pelo qual o jovem deve aproveitar ao máximo esse tipo de recurso é o volume e diversidade das vagas: “Grandes empresas utilizam consultorias para boa parte de seus processos. Isso faz com que em um único site o candidato tenha acesso a vagas para diversas áreas e em várias empresas.  Logo, o candidato que faz uso desse recurso pode conseguir uma vaga mais rapidamente.” – finaliza Mavichian.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.