Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 19-08-2018 às 01:30

Alimentação natural ou industrializada?

Respeitar as necessidades específicas de cada espécie, em termos nutricionais, deve ser sempre a prioridade dos tutores

| Creditos: PixaBay


A alimentação natural para cães e gatos é um tema que divide opiniões. Existem aqueles que são contra os alimentos industrializados. Por outro lado, alguns acreditam que a alimentação natural não oferece a quantidade e o equilíbrio de nutrientes necessários para a manutenção da saúde do animal.

Respeitar as necessidades específicas de cada espécie, em termos nutricionais, deve ser sempre a prioridade dos tutores, de acordo com o médico-veterinário Dr. Yves Miceli de Carvalho, mestre em Nutrição Animal pela Universidade de São Paulo (USP) e presidente da Comissão Técnica de Nutrição Animal do Conselho Regional de Medicina Veterinária do Estado de São Paulo (CRMV-SP).

Para os tutores, o conceito de alimentação natural para cães e gatos está relacionado a alimentos frescos, sem conservantes, aditivos químicos, corantes ou estabilizantes. O Dr. Yves Miceli de Carvalho explica, no entanto, que a definição correta do termo "natural" refere-se a "ingredientes que são derivados ou extraídos diretamente de plantas ou de animais".

Para o presidente da Comissão Técnica de Nutrição Animal do CRMV-SP, ambas formas de alimentação têm seus pontos positivos e negativos. "Tanto a alimentação natural quanto a industrial podem trazer benefícios ou não, o importante é o bom senso do tutor e do profissional que faz o acompanhamento do animal."
 

Prós e contras da alimentação natural

Prós:
- ingredientes selecionados pelo tutor;
- alimento preparado pelo tutor;
- ingredientes frescos.

 

Contras:

- o perfil nutricional deve ser coerente com as necessidades específicas de cada espécie;
- dificuldade de equilíbrio da fórmula;
- falta de análises laboratoriais de suporte à formulação, para comprovar os níveis nutricionais adequados e garantir a segurança alimentar e o controle de qualidade;
- cuidados com o armazenamento;
- não há uma legislação que dê suporte e fiscalize;
- não há embasamento técnico, científico e comprobatório;
- dificuldade em oferecer a dose correta, o que pode gerar déficit ou excedente nutricional, podendo agravar o quadro geral e comprometer a saúde do animal.
 

Prós e contras da alimentação industrializada

Prós:

- embasamento técnico e científico com comprovações em testes de campo e laboratório;
- ajustes dos níveis nutricionais e de acordo com a legislação;
- garantia do fabricante caso o animal venha a adoecer e for comprovado que o alimento foi o causador do distúrbio, exceto com produtos vendidos abertos e\ou a granel;
- categorias e segmentos de alimentos de acordo com: faixa etária, estado fisiológico, de saúde, atividade física, animais doentes\convalescentes.
 

Contras:
- ingredientes industrializados;
- uso de conservantes (naturais/artificiais);
- uso de flavorizantes e aromatizantes (naturais/artificiais).

 

Como saber se a alimentação do pet está adequada?

A melhor nutrição, segundo Dr. Yves Miceli de Carvalho, está diretamente ligada ao equilíbrio dos nutrientes e tem que ser adequada para cada indivíduo, de acordo com suas necessidades. "Somente o profissional médico-veterinário pode fazer um diagnóstico clínico do animal e orientar o tutor sobre o tipo de dieta mais correta, com base nas condições de saúde, idade, porte, peso, atividade física, raça e espécie."

Além da avaliação de um médico-veterinário, alguns sinais podem indicar se o pet está tendo acesso a uma nutrição adequada. A alimentação está equilibrada quando o animal está na faixa de peso ideal, apresenta pele e pelagem saudáveis, tem o comportamento compatível com sua espécie. Por outro lado, a redução da vitalidade, a descamação da pele, a pelagem opaca, o emagrecimento ou o sobrepeso podem ser indicativos de que há algo de errado com o alimento que está sendo oferecido.

O médico-veterinário faz um alerta para os tutores que optam por alimentar seus pets por conta própria: "Não podemos ir atrás de modismos, pois, com a humanização dos pets, erros nutricionais graves estão acontecendo, gerando prejuízos para o bem-estar e a saúde dos animais." Ele reforça, ainda, que os gatos são mais sensíveis a erros nutricionais que os cães e, por isso, a atenção deve ser redobrada.

Há certos alimentos e ingredientes que, inclusive, apesar de serem considerados comuns na alimentação dos seres humanos, podem ser tóxicos ou de difícil digestão pelos animais. Devem ser evitados, portanto, temperos e condimentos, carnes cruas, carnes, especialmente de aves, com ossos, assim como algumas frutas, vegetais e legumes.

De acordo com o presidente da Comissão Técnica, de maneira geral os vegetais não são bem digeridos pelos pets. "Esses alimentos concentram muitos açúcares que o animal não tem a mesma capacidade do ser humano para digerir, especialmente os gatos, por serem carnívoros."

No que diz respeito aos legumes, não são estritamente proibidos. A orientação de Carvalho é evitar oferecê-los. Mas, se for servi-los, que seja uma pequena porção de legumes cozidos sem tempero. "O cozimento ajuda a quebrar as partículas que o sistema digestório do animal tem dificuldade em romper", diz o médico-veterinário.

Ele lembra a importância de não acrescentar alho e cebola - principalmente se forem crus, pois ambos podem causar anemia - ou tomate, que contém tomatina, substância que causa alterações no sistema nervoso dos gatos e pode ser fatal.

Com as frutas, uma vez que não cabe cozimentos, é preciso ainda mais atenção. Nessa categoria de alimento, uma das que possuem maior índice de açúcar é a uva, em especial a passa.

No caso da ameixa deve-se ter cuidado com o caroço, que contém cianeto, considerado tóxico para os cães e gatos. As sementes da maçã também são nocivas à saúde de ambas as espécies.

Entre as castanhas, Carvalho alerta para as possíveis alterações no sistema nervoso que podem ser provocadas pelo consumo de nozes e macadâmia. O mesmo risco se dá com o chocolate, por causa da substância teobromina.

Portanto, o tutor que for preparar o alimento em casa deve, primeiramente, buscar orientações e o acompanhamento de um médico-veterinário. Também é preciso verificar as bases nutricionais indicadas para a espécie, tendo um cuidado especial com a escolha e a qualidade dos ingredientes, "com a ressalva de que cães e gatos não se alimentam de ingredientes, mas dos nutrientes específicos que os ingredientes contêm" pontua Dr. Yves Miceli.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.