Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 20-07-2018 às 14:28

Aceitação: caminho necessário para envelhecer com saúde

| Creditos: PixaBay

Uma das coisas que as pessoas mais querem saber é como conseguir um envelhecimento bem sucedido. Pois bem, para isso acontecer é necessária a somatória de vários fatores ou tomadas de atitudes que resultarão numa fase saudável, equilibrada, com autonomia e independência.

Dentre esses fatores, temos a importância da alimentação, prática de exercícios físicos regulares, atitudes e pensamentos positivos, estimulação cognitiva constante, convívio social... Esses assuntos são frequentemente abordados em artigos relacionados a esses temas; assim sendo, não trataremos deles nesse texto.

Quero me ater num dos pontos que podem afetar muito a qualidade do envelhecimento: os altos índices de ansiedade. Mais que isso, ressalto a questão da não aceitação como fator gerador deste comportamento, podendo prejudicar significativamente a percepção do envelhecimento, bem como diminuir a funcionalidade de funções executivas cerebrais.

O processo de envelhecimento humano, por ocorrer num ser biopsicossocial e cultural, envolve uma série de mudanças multifacetadas. No entanto, algumas pessoas têm grande dificuldade de aceitá-las.

O pesquisador Nahas, em seus trabalhos, comenta que essa dificuldade em aceitar as mudanças físicas e funcionais gera angústia e, muitas vezes, pode agravar os quadros de ansiedade e depressão, podendo representar um comportamento perigoso e incapacitante.

Miriam Goldemberg também aborda essa questão em seus trabalhos sobre velhice citando, inclusive, que o Brasil é um dos primeiros no ranking em intervenções estéticas e, não por acaso, está entre os primeiros também em altos níveis de transtornos relacionados à ansiedade.

Por mais que tentemos negar ou esconder, as mudanças acontecerão, inevitavelmente. O que precisamos frente a isso é desenvolver nosso potencial de resiliência. Esse tipo de plasticidade é caracterizada pela nossa capacidade de enfrentar as mudanças/problemas e, mesmo assim, continuarmos a seguir com as adaptações.

Dentro desse contexto, muitos trabalhos científicos vêm mostrando que o envolvimento em atividades em grupos que possibilitem o convívio social e promovam a estimulação cognitiva de maneira específica podem favorecer muito a ressignificação frente ao processo de envelhecimento.

O tempo passará para todos. Aliás, privilegiados são os que estão aqui para perceber essa passagem do tempo. A partir disso, como enfrentamos esse passar do tempo e como o viveremos podem ser determinantes para um envelhecimento bem sucedido na sua mais ampla definição.

Finalizo o nosso texto de hoje com uma frase do filósofo Sêneca: “Quando a velhice chegar, aceita-a, ama-a. Ela é abundante em prazeres se souberes amá-la...”

Até a próxima! Namastê!

Alessandra Cerri é sócia-diretora do Centro de Longevidade e Atualização de Piracicaba (Clap)

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.