Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 26-09-2018 às 09:09

Ancine exibe mostra com filmes dirigidos por mulheres

"A boneca e o silêncio", será exibido no dia 22 de março. | Creditos: Reprodução/A boneca e o silêncio

A Agência Nacional do Cinema (Ancine), instituição vinculada ao Ministério da Cultura (MinC), apresenta durante o mês de março uma mostra da mais nova safra de filmes brasileiros dirigidos por mulheres. O projeto faz parte da série "Produção em Tela", cujo objetivo é a exibição exclusiva de filmes nacionais que obtiveram financiamento público, seguidas de debates com as equipes técnicas, destacando questões relacionadas à produção. 

Para o mês de março, o evento foi ampliado com sessões abertas ao público (com exceção dos dias 08 e 15 de março, que serão exclusivas para servidores da Ancine) e mesas de debate com outros convidados, além da equipe da produção, que irão colocar em foco os diversos aspectos relacionados às mulheres. 

As sessões serão realizadas na Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM), na Avenida Infante Dom Henrique, 85 - Parque do Flamengo. A entrada é gratuita, com distribuição de senha uma hora antes do evento.

A primeira sessão do evento é nesta quinta-feira (1º), com o tema O Audiovisual Contra a Violência e a Intolerância de Gênero. Serão exibidos o curta Tentei, de Laís Melo, e o longa Legítima defesa, de Susanna Lira, com debate após a sessão.

Durante o mês haverá ainda exibições dos filmes Bixa Travesty, premiado no Festival de Berlim 2018; Mormaço, que participou do Festival de Roterdã e do Festival de Berlim; Animal cordial, selecionado para o Festival do Rio de 2017; e Café com canela, exibido no Festival de Roterdã. 

 

Programação:

22/03 – às 15h

Cinema é coisa de mulher: A construção narrativa em filmes de gênero, pensando o espaço ocupado pelos corpos femininos na frente e por trás das câmeras.

Exibição dos filmes: A boneca e o silêncio (19 min.), de Carol Rodrigues, e Animal Cordial (85 min.), de Gabriela Amaral Almeida. 

Participam do debate: 
Gabriela Almeida – diretora e roteirista do longa Animal Cordial;
Mariana Ramos – Roteirista e pesquisadora da UFF sobre a representação de gênero em filmes de horror;
Marina Tedesco – Diretora de Fotografia e integrante do DAFB – Coletivo das Diretoras de Fotografia do Brasil; 
Mediação de Carolina Costa, servidora da Ancine

 

28/03 – às 15h

Descentralizando as Telas: ações afirmativas de gênero, raça e regionalização no audiovisual brasileiro
A relevância da implementação de ações afirmativas em prol da inclusão e da representatividade de grupos não hegemônicos nas políticas públicas para o setor audiovisual

Exibição dos filmes: Travessia (5 min.), de Safira Moreira, e Café com canela (102 min.), de Glenda Nicácio e Ary Rosa.

Participam do debate: 
Glenda Nicácio – codiretora e roteirista do longa-metragem Café com canela;
Safira Moreira – Diretora do curta Travessia;
Debora Ivanov – Diretora da Agência Nacional do Cinema;
Elisa Lucinda – Poetisa, jornalista, cantora e atriz.
Mediação de Eloisa Mara, servidora da Ancine
Sinopse dos filmes

 

Longas-metragens:

- Legítima Defesa: A história de três mulheres que, após um histórico de violência doméstica, contrariam as estatísticas e tomam uma atitude extrema: matam o homem que amavam para poderem sobreviver.

 

- Mormaço: O filme retrata a cidade do Rio de Janeiro pré-Olimpíadas, em obras, para contar a história de Ana, uma jovem advogada carioca que se divide entre o trabalho em uma comunidade, um novo amor e uma doença misteriosa. 

 

- Bixa Travesty: O corpo político da cantora transexual negra Linn da Quebrada é a força motriz deste documentário que a captura em sua esfera pública e privada, ambas marcadas não só por sua presença de palco acachapante mas também por sua incessante luta pela desconstrução de esteriótipos de gênero, classe e raça. 

 

- Animal Cordial: Inácio é o pacato dono de um restaurante de classe média que vivencia um assalto ao seu estabelecimento ao fim do expediente. Em meio ao tumulto, ele precisa encontrar meios de defender os funcionários e clientes da violência dos invasores.

 

- Café com Canela: Após perder o filho, Margarida vive isolada da sociedade. Ela se separa do marido Paulo e perde o contato com os amigos e pessoas próprias. Em determinado dia, Violeta bate à sua porta. Trata-se de uma ex-aluna de Margarida, que assume a missão de devolver um pouco de luz àquela pessoa que havia sido importante para ela na juventude.

 

Curtas-metragens

- Tentei: A coragem foi se fazendo aos poucos conforme a angústia tomava o corpo. Em certa manhã, Glória, 34 anos, parte em busca de um lugar para voltar a ser.

 

- O Dia de Jerusa: Jerusa está fazendo os preparativos para seu aniversário de 77 anos quando recebe a visita de Silvia, uma pesquisadora de opinião que aplica questionários sobre sabão em pó. A pequena visita, estimada para durar apenas 15 minutos, se estende ao longo da narrativa, quando o encontro das duas faz emergir as memórias de um passado translúcido da mais velha.

 

- Tailor: Tailor é um cartunista transgênero que compartilha em sua página na internet experiências de outras pessoas trans e seus desafios dentro da sociedade. Um documentário animado sobre pessoas trans, feito por pessoas trans.

 

- A Boneca e o Silêncio: A solidão de Marcela, uma menina de 14 anos, que decide interromper uma gravidez indesejada.

 

- Travessia: Utilizando uma linguagem poética, Travessia parte da busca pela memória fotográfica das famílias negras e assume uma postura crítica e afirmativa diante da quase ausência e da estigmatização da representação do negro.
 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.