Jornal Rosa Choque
Publicidade

Carnaval: maneiras de celebrar em vários cantos do mundo

Pra quem acha que a festa é brasileira, veja como outros países comemoram o Carnaval

Carnaval em Nova Orleans | Creditos: Pixabay/Sergey Galyonkin on Visual Hunt/Foto G&T - inovativna fotografija on Visualhunt/krossbow on Visual Hunt

Para a maioria, o Brasil é o país do Carnaval. As imagens de foliões e de desfiles majestosos percorrem o planeta e já transformaram o país num dos principais destinos para turistas do mundo todo quando se trata de celebrar o Carnaval. O que muitos não sabem é que essa festa popular possui raízes e origens em outros países e que o Carnaval também é festejado com pompa, gala e muita alegria em diversas outras partes do mundo. Segundo historiadores, o Carnaval existe há 3 mil anos, com origem na Grécia Antiga. Os gregos cultuavam Dionízio, o deus ligado ao vinho e aos prazeres mundanos. A festa envolvia comemorações nas ruas, com muita música e roupas especiais. A ligação da festa pagã com o cristianismo só surgiu tempos depois. Segundo a Britannica Digital Learning®, “em muitos países católicos romanos, o período de festas que marcam os últimos dias antes da Quaresma é conhecido como Carnaval. É uma celebração dos excessos da vida antes da austeridade da temporada da Quaresma”.

No Brasil, o Carnaval surgiu durante o período colonial, mas foi só na metade do século XIX, quando começou a se basear nas festas européias, que ganhou semelhança com o Carnaval que é praticado hoje, nas ruas e sambódromos. A tradição cultural mais popular do mundo se espalhou e hoje já ganhou importância, entrando para o calendário oficial em inúmeros países. Um dos principais destaques fica por conta do Carnaval de Nova Orleans, no estado da Luisiana (EUA). Lá o Carnaval também é conhecido como Mardi Gras, (terça-feira gorda em francês). Segundo a Britannica Digital Learning®, o nome vem do fato de que o festival culmina com a terça-feira antes da quarta-feira de cinzas. Os franceses católicos que se fixaram naquela região trouxeram um antigo costume de seu país natal: consumir todas as gorduras existentes na casa antes de começar a Quaresma, quando, normalmente, muitos católicos se sacrificam em jejuns e evitam certos alimentos. Depois da festa se tornar proibida por conta dos excessos, ela voltou para o calendário oficial e a popularidade do Carnaval cresceu tanto que se transformou na maior folia do gênero nos Estados Unidos. Os milhões de turistas que visitam a cidade para participar do festival são o pilar da economia de Nova Orleans. Por lá, a temporada de Carnaval se inicia em 6 de janeiro e termina com as festividades do Mardi Gras, que começam entre dez dias a duas semanas antes da Terça-Feira Gorda.

Veneza, na Itália, tem um dos carnavais mais tradicionais do mundo. As máscaras são o elemento mais importante da festividade. No século XVI, a nobreza se disfarçava com elas para sair e se misturar ao povo. A versão italiana do Carnaval tem dez dias de festas, com bailes em exclusivos salões e desfiles pela cidade. Os figurinos usados reproduzem o estilo da nobreza dos séculos passados, com trajes luxuosos. Ao contrário de outras comemorações dessa natureza, que nascem, principalmente, da mobilização popular, esta celebração é originalmente promovida pela elite. No passado, o uso intensivo das máscaras era motivo de polêmica. Contraventores e assassinos se aproveitavam do disfarce para cometer crimes. O acessório chegou a ser proibido no século XVII, sendo liberado tempos depois. Os milhões de turistas que participam da folia fazem questão de usá-lo, o que acaba inflacionando o preço das máscaras. A mais consumida é a famosa ‘bauta’, máscara branca no formato de um bico, complementada por um chapéu de três pontas.

 

Outros países, nos mais variados cantos do mundo, também possuem o seu jeito de festejar o Carnaval. Veja alguns exemplos:

Basileia – Suíça

Uma das mais importantes cidades da Suíça, Basileia comemora o Carnaval de forma bem expressiva. A festa é realizada na última segunda-feira antes da Quaresma e começa às 4h da manhã, com as pessoas saindo às ruas fantasiadas e com lanternas para acompanhar os desfiles. As ruas ficam cheias, todos curtindo as bandas locais com músicas folclóricas.

 

Porto Príncipe – Haiti

Num país sempre castigado pela pobreza e instabilidade política, os haitianos enxergam no Carnaval uma oportunidade para esquecer a dura realidade e se entregar à diversão e folia. Um dos destaques são as canções satíricas, com protestos a respeito de algo. A festa é prolongada: durante três semanas os haitianos comemoram nas ruas, com direito a fantasias, desfiles e muita música.

 

Quito – Equador

No Equador, a tradição carnavalesca é um pouco diferente das demais. Com origem num antigo costume dos índios huarangas, os desfiles trazem flores e frutas. Os jovens se divertem usando roupas típicas e promovendo guerras com balões de água e, às vezes, até farinha. A festa dura duas semanas.

 

Ptuj – Eslovênia

Na Eslovênia, o Carnaval mistura a cultura ocidental com o paganismo eslavo, tornando a festa uma das mais diversificadas que existem. A figura principal é o Kurent, uma fantasia com uma máscara monstruosa. Na quarta-feira de cinzas, os foliões promovem o enterro do pust, boneco que simboliza todos os males.

 

Bonn - Alemanha

A festa mais tradicional na Alemanha é a de Bonn, com desfiles, fantasias e máscaras que as pessoas usam para se esconder do diabo, que fica solto durante a folia. Apesar da tradição da capital alemã, a celebração se espalha pelo país, atingindo tanto os grandes centros urbanos, quanto a Floresta Negra e os Alpes.

 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.