Jornal Rosa Choque
Publicidade

Aprenda a "desapegar" em todos os cômodos da casa

Seja na cozinha ou no quarto, faça um levantamento do que pode ser doado e tente absorver aos poucos o conceito de que "menos é mais"

Divulgação: Ecole Supérieure de Relooking | Creditos: Especialista diz que a maioria das pessoas usa apenas a metade das roupas que possui.

A troca de estação sempre vem acompanhada da necessidade de mudança. Por isso, que tal aproveitar a primavera, que começa no dia 22 de setembro, e fazer uma faxina geral em casa, para se livrar de todos os excessos ou de itens que não são mais usados?

 

Leia mais:

Dinheiro traz felicidade, diz pesquisa

Como conseguir um novo emprego

 

A ideia, segundo Vandressa Pretto, diretora da escola francesa de consultoria de imagem Ecole Superieure de Relooking, não só auxiliará outras pessoas, já que o supérfluo para alguns, pode ser a primeira necessidade de outros. “Também é uma forma de engatar os primeiros passos para entender e adotar um consumo mais consciente em diversos momentos da própria vida, o que significa pensar nas necessidades alheias, brecar o comprar desnecessário e uma economia significativa no seu orçamento”, destaca.

A maioria das pessoas usa apenas a metade das roupas que possui. “Peças encalhadas geralmente vêm de uma compra impulsiva, como as peças que estão na moda, cores chamativas que não combinam com o estilo de vida ou tipo físico da pessoa, além das oscilações de peso – sempre achamos que iremos emagrecer e voltar a caber naquela roupa P”, aponta Vandressa.

As roupas, sapatos e bolsas costumam, em geral, sobrecarregar o armário das mulheres, mas o consumo consciente deve fazer parte na vida. “Já reparou em quantas panelas, vasilhas, perfumes, produtos de beleza, aparelhos tecnológicos, capinhas de celular, brinquedos e adereços de decoração acumulamos ao longo da vida? Será que eles não são indispensáveis?”, questiona.

Aliás, esta uma tendência no mundo, cuja proposta é adotar um estilo de vida mais equilibrado, atenuando o consumismo exagerado.  “É cada vez mais comum encontrarmos pessoas que se disponibilizaram a ficar um ano sem comprar nenhuma peça de roupa, que evitam compras gigantescas no supermercado para evitar o desperdício e até as marcas de produtos de beleza que estimulam atitudes conscientes, como trocar refis, economizando gastos com embalagens”, exemplifica.

 

Curta o Portal Rosa Choque no Facebook

 

Na moda, o lema da consultora, é escolher uma peça de qualidade com um valor mais acessível do que “atirar” para todos os lados: “O importante é escolher bem o tecido, caimento e o corte, pois visualmente isso faz toda a diferença em uma peça, e muda completamente o seu aspecto não importando o quanto ela tenha custado”. 

Mas e como aderir ao slow fashion em um mundo consumista? Com peças versáteis e básicas que combinem entre si. Exercendo a criatividade e tirando um tempo, uma vez por semana, por exemplo, para se dedicar a pensar diferente a forma de usar seus looks. “As pessoas costumam sempre fazer as mesmas combinações e isso aumenta a sensação de ter pouca roupa ou estar sempre com as mesmas peças", explica a consultora. Ao se deparar com uma peça desejada, experimente e não compre na hora, antes de tudo verifique quais peças já existem no guarda-roupa que possam substituir tranquilamente aquela novidade.

Outra opção é reformar ou pensar em uma combinação diferente com a peça dando um toque de estilo, atitude fundamental para torna-la útil. Criar novas possibilidades de montagem de looks, fotografar, experimentar e deixar essas peças mais visíveis no guarda-roupa, além de pensar a função de cada uma de forma diferente, também pode ajudar: “Às vezes temos um vestido que foi usado no ano novo, por exemplo, mas quando colocado com calçado informal e jaqueta no dia a dia funciona muito bem”, conclui Vandressa.


Confira cinco dicas para desengavetar o armário:

1 - Ao provar a peça, ver se ela realmente veste bem o seu corpo. Caso a resposta seja negativa e não valha a pena reformar, ela pode ser descartada;

2 - Não usa a peça há mais de seis meses? Ou não usou nessa estação? Pode ser uma deixa pra passar ela adiante;

3 - Uma peça que consigo montar apenas um ou dois looks que não são muito usáveis na sua rotina, também é uma peça que pode ser repensada; 

4 - Está surrada, muito gasta e velhinha? Por mais amor que tenha pela peça, desapegue;

5 - Aquela peça que quando usada recebe olhares ou feedbacks negativos, mesmo que em forma de piadinha, pode ser repensada.

 

Ecole Supérieure de Relooking

A Ecole Supérieure de Relooking foi criada há 10 anos e tem sua sede em Paris, na França, berço mundial das artes e da cultural. Especializada na formação de Consultoria de Imagem e Morfopsicologia, reúne expertise, técnicas e metodologias diferenciadas, aliadas às premissas de coaching. Desde sua fundação, mais de 10.000 pessoas já foram capacitadas e reconhecidas pela Comissão Nacional de Certificação Profissional (CNCP) daquele país.

Com atuação, além da França, em países como Portugal, Itália, China e Marrocos, a Ecoe Supérieure de Relooking atua no Brasil desde 2012, sob o comando de Vandessa Pretto, consultora especializada e uma das maiores estudiosas de tendências em comportamento feminino no mercado nacional. Nestes cinco anos, já soma 3.000 formados e atua em todo o País, com especial presença nas cidades como São Paulo (SP), Porto Alegre (RS), Belo Horizonte (MG) e Rio de Janeiro (RJ). Mais informações no site.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.