Jornal Rosa Choque
Publicidade

Engenheiro eletricista tira dúvidas sobre chuveiros domésticos

Ainda que o chuveiro seja muito utilizado, a maioria das pessoas têm dúvidas sobre o que fazer quando ele para de funcionar

Em alguns casos, é preciso chamar um técnico especializado, mas, em outros, talvez não seja tão necessário | Creditos: PixaBay

Você sabe trocar um chuveiro? E se a água sair fria, você sabe o que fazer? Ainda que o chuveiro seja um dos aparelhos mais utilizados da casa, no dia a dia, muita gente tem dúvidas sobre o que fazer quando ele para de funcionar. Em alguns casos, é preciso chamar um técnico especializado, mas, em outros, talvez não seja tão necessário.

Abaixo, o engenheiro eletricista João Carlos Lima, professor do Centro de Capacitação em Tecnologia da Loja Elétrica, responde as perguntas mais comuns quando o assunto é chuveiro e dá dicas de como economizar na conta de luz.

 

Posso trocar o chuveiro da minha casa sozinha? Se sim, como faço isso?

Sim. Desde que se tome os cuidados necessários, não é necessário chamar um especialista para realizar a troca. Segue um passo a passo:

1 -  Antes de realizar a troca, desligue o disjuntor do chuveiro. Essa etapa é absolutamente fundamental. É altamente perigoso manusear dispositivos de conexão elétrica com o chuveiro ligado. O disjuntor, também conhecido como "chave", está instalado na caixa de circuitos (ou "quadro de distribuição") de sua casa e apresenta maior capacidade de corrente. Nunca utilize plugues e tomadas para a instalação do chuveiro.

2 -  Faça a conexão dos fios utilizando os conectores adequados. Recomenda-se conector de porcelana ou de torção. Não utilize fita isolante, pois o vapor da água quente faz com que ela perca aderência, descobrindo a emenda. Isso pode causar curto-circuito na instalação.

3 -  Antes de energizar o chuveiro, abra o registro e deixe correr água fria pelo aparelho. Isso evitará a queima da resistência e permitirá também verificar se existem vazamentos. O fio terra (fio de cor verde ou verde e amarela) é fundamental para a segurança do usuário, pois protege contra a fuga de corrente. Caso sua instalação não possua sistema de aterramento, não ligue o fio verde em nenhum dos condutores.

Alguns chuveiros são acoplados de maneira diferenciada na parede e exigem um trabalho maior de desmontagem e remontagem. Caso não se sinta segura, chame um especialista.

Uma dica: nunca mude a temperatura com o chuveiro ligado. Primeiro, feche o registro de água, depois mude a temperatura e abra o registro novamente. Apenas chuveiros com controle eletrônico de temperatura podem ser manuseados em funcionamento.

 

Curta o Portal Rosa Choque no Facebook

 

A água esfriou de repente. O que aconteceu?

Os motivos mais comuns são:

1 - Falta de energia elétrica;
2 - Desligamento do disjuntor que protege o circuito do chuveiro;
3 - Queima da resistência;
4 - Redução da pressão da água, o que provoca o desligamento do chuveiro.
 

No caso de acabar a energia, é preciso contatar a distribuidora. Se o disjuntor desligou, é só apagar as luzes do banheiro e desligar todos os aparelhos elétricos que estiverem ligados. Vá até o quadro de distribuição e verifique qual disjuntor está em posição diferente dos demais, ou não está plenamente "encaixado" no modo ligado. Feita a identificação, é só religá-lo. Se a resistência queimou, é preciso trocá-la.

 

Como trocar a resistência do chuveiro?

A troca é simples e os fabricantes informam o procedimento correto para efetuá-la no próprio encarte do resistor. Caso não se sinta segura para fazer a troca, os vendedores e vendedoras das lojas especializadas em materiais elétricos são habilitados para isso.

 

Normalmente, quanto tempo dura a resistência de chuveiro?

Depende do uso. Quanto mais quente estiver a água, maior o desgaste da resistência. A pouca pressão também pode provocar maior aquecimento da peça, reduzindo a sua durabilidade.

 

Leia mais:

Arquiteto apresenta tendências para o uso da iluminação

Assistir muita TV na infância pode afetar a saúde dos ossos

 

Comprei um chuveiro potente, mas a água não sai tão quente. Por quê?

Um chuveiro de alta potencia instalado em uma rede elétrica com fiação fraca provoca uma queda da tensão (voltagem), sendo essa necessária para que a resistência consiga aquecer a água. Além disso, quando a pressão da água é muito alta, o chuveiro não consegue realizar o aquecimento devido ao grande volume que passa pela resistência. Nesses casos, é necessário instalar o redutor de pressão que acompanha o kit de instalação do produto.

Em algumas instalações, existe a possibilidade de transformar a alimentação de 127v em 220v. Isso permite a instalação de chuveiros de maior potência, o que resulta no aumento da temperatura da água. Entretanto, nesses casos, é necessário contratar um profissional eletricista.

 

Qual chuveiro comprar: o tradicional ou o eletrônico?

O chuveiro tradicional só é vantajoso em função do baixo custo e facilidade de instalação. Porém, a dificuldade de ajustar a temperatura e o volume de água pode gerar uma série de complicações, como desligamentos constantes e até queima da resistência.

O chuveiro eletrônico utiliza tecnologia mais moderna para controle de temperatura, proporcionando mais conforto, uma vez que se pode alterar a temperatura da água gradualmente sem que seja necessário desligar o equipamento. Outra grande vantagem do chuveiro eletrônico é a economia de energia elétrica, pois a temperatura é controlada pelo usuário com maior variação (e não só entre verão, desligado e inverno), deixando a água na temperatura perfeita para um ótimo banho. Em alguns casos, a economia pode chegar a 91%.

Além do tradicional e do eletrônico, há ainda o chuveiro pressurizado. Esse foi desenvolvido para aumentar a pressão da água, sendo indicado para locais onde o reservatório está muito próximo do chuveiro. Infelizmente, esse tipo de equipamento gasta muita água devido ao aumento da pressão e, em alguns casos, não aquece a eficientemente e até consome mais energia.

Antes de comprar um chuveiro ou ducha elétricos, lembre-se de verificar a tensão da rede (127V ou 220V) e o Selo Procel, do Inmetro, que indica os produtos que consomem menos energia.

 

É verdade que o chuveiro é o aparelho que mais consome energia elétrica em casa?

Não. Em uma residência, normalmente os eletrodomésticos de maior consumo são os condicionadores de ar e as geladeiras, uma vez que o consumo de energia não está ligado apenas à potência do aparelho, mas também ao tempo e modo de funcionamento, além da estação do ano. Por exemplo: no verão, os chuveiros funcionam na menor temperatura, enquanto os condicionadores funcionam por mais tempo em virtude do calor natural. Já as geladeiras e outros refrigeradores consomem mais porque ficam em funcionamento constante.

 

Quais são as dicas para economizar no banho?

1 -  Reduza o tempo do banho. Um chuveiro na temperatura “inverno” funcionando 15 minutos, consome 41,2 Kwh/mês, o equivalente a R$ 450,00 por ano (além de 135 litros de água por banho de 15 minutos).

2 -  Mude a temperatura somente quando necessário. Mantenha o chuveiro na posição “inverno” apenas quando estiver realmente muito frio.

3 - Se possível, substitua o chuveiro tradicional por um eletrônico, pois os eletrônicos fazem um ajuste fino da temperatura e economizam cerca 60% de energia.

4 - Atenção para o horário do banho. Se possível, evite tomar banho entre 18 e 21 horas, pois nesse horário, devido ao aumento no consumo de energia elétrica da rede, a eficiência do chuveiro será reduzida.

5 - Não utilize ou reduza a utilização de duchas. Duchas de alta pressão consomem muita água.

 

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.