Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 19-08-2019 às 05:53

Um olhar bem humorado sobre a solteirice contemporânea

Protagonista de “Como ser solteira”, que inspirou filme homônimo, viaja pelo mundo para descobrir como as mulheres lidam com os relacionamentos – ou a falta deles.

| Creditos:

Em pleno 2016, o fato de uma mulher estar solteira – em qualquer idade – não deveria provocar sobressaltos. Afinal, muitos sutiãs já foram queimados nesta vida para garantir que relacionamentos não sejam uma obrigação, e que as mulheres tenham independência financeira e o pleno controle sobre seus corpos.  Mas Julie, uma assessora de imprensa de 38 anos, não se cansa de ouvir a irritante pergunta: “Por que você ainda está sozinha?”.

A protagonista de “Como ser solteira” não nega: quer, sim, encontrar o amor de sua vida. Mas quer viver bem enquanto está sozinha também. E numa noite, quando é intimada por uma amiga que acabou de ser deixada pelo marido a sair numa noitada, ela percebe que ela e suas amigas solteiras não estão se saindo muito bem. Alice está tão obcecada em encontrar um homem que não faz mais nada da vida; Serena, pelo contrário, é tão focada em si mesma que não consegue conhecer gente nova; e Ruby parece não ter capacidade de superar a depressão de cada decepção amorosa.

Entediada com o trabalho e com a vida, Julie toma uma decisão: viajar pelo mundo para tentar descobrir como as mulheres em diferentes partes do planeta lidam com a solteirice. De Paris ao Rio de Janeiro, passando por Roma, Sydney, Pequim e Reykjavík, ela aprende sobre diferentes costumes e formas de se relacionar entre homens e mulheres. No meio do caminho, ela também se apaixona, se diverte, tem o coração partido mas, principalmente, muda sua visão sobre o amor e a felicidade.

Para escrever o livro, a autora Liz Tuccillo de fato viajou pelo mundo entrevistando homens e mulheres solteiros sobre suas vidas amorosas. A história inspirou o filme homônimo, que estreia no Brasil em 25 de fevereiro e é protagonizado por Dakota Johnson, Alison Brie, Rebel Wilson e Leslie Mann.

Deixe seu comentário!

O Jornal Rosa Choque não se responsabiliza pelos comentários aqui postados. A equipe reserva-se, desde já, o direito de excluir comentários e textos que julgar ofensivos, difamatórios, caluniosos, preconceituosos ou de alguma forma prejudiciais a terceiros. Textos de caráter promocional, inseridos sem a devida identificação do autor ou que sejam notadamente falsos, também poderão ser excluídos.

Lembre-se: A tentativa de clonar nomes e apelidos de outros usuários para emitir opiniões em nome de terceiros configura crime de falsidade ideológica. Você pode optar por assinar seu comentário com nome completo ou apelido. Valorize esse espaço democrático Agradecemos a participação!

Todos os campos marcados com é de preencimento obrigatório.