Jornal Rosa Choque
Publicidade

Cuiabá - MT, 24-07-2019 às 00:15

Galeria

Homenagem 300 mulheres - Letras, história e equidade


Uma comemoração do sucesso, dentre outros, a autora do projeto Amini Haddad, o presidente da AML, Sebastião Carlos, anfitrião do evento, e sua esposa Rita Castro.

"A ideia inicial foi dimensionar aspectos históricos, de participação de mulheres na sociedade, dando-lhes visibilidade, como medida de equidade. Olhar para essas histórias de vida foi um processo misto de alegria, contemplação, mas também de door ao perceber quão dificil foi dimensionar uma saudável história ao feminino". Foi o que disse a juíza Amini Haddad,  autorta do projeto "300 mulheres - Letras, História e Equidade", cuja primeira parte foi entregue ontem com uma grande efervecência cultural e social, na Academia Mato-Grossense de Letras que assina a realização da mostra, que tem como madrinha a primeira dama de Cuiabá, Márcia Pinheiro, que compareceu ao lado do esposo, o prefeito Emanuel Pinheiro. 

Também fizeram parte do dispositivo de honra, dentre outros, o presidente da AML, Sebastião Carlos Gomes de Carvalho, ao lado de sua esposa Rita Castro, que esteve junbto na coordenação dios trabalhos; a prefeita de Várzea Grande, Lucimar Campos, a presidente da Associação de Mulheres de Negócios e Profissionais-BPW Cuiabá, Zilda Zompero, a desembargadora, Maria Helena Póvoas, a vice-presidente do Instituto Histórico, Anna Maria Ribeiro da Costa, a ex-senadora e referência política, Serys Slhessarenko, a secretária da Secretaria Extraordinária dos 300 anos, Cely Almeida, o promotor de justiça Joelson Maciel, a deputada estadual Janaina Riva, a desembargadora Maria Erotides Kneip. Todas as personalidades femininas do dispositivo fizeram parte da história das homenageadas. O evento fez parte das comemorações do Tricentenário de Cuiabá.

O presidente da AML, Sebastião Carlos disse em seu discurso que desde a sua fundação, a Academia Mato-grossensde de Letras tem mulheres na composição, destacando o nome de Ana Luiza da Silva Prado. Citou ainda os nomes de Maria Muller e Dunga Rodrigues, valorosas representantes femininas que ocuparam suas cadeiras, e disse que hoje a Academia tem 15 mulheres como membros. Informou que abrirá uma nova vaga, e  conclamou para que as mulheres se candidatem. As membros da Academia estavam destacadas no painel das 300 mulheres, no topo e com a logomarca da instituição.

Zilda Zompero, presidente da BPW Cuiabá,  entregou placa de reconhecimento ao trabalho de Amini Haddad e flores, e enfatizou o trabalho por ela organizado. "Temos que valorizar trabalhos que preservam a história de mulheres que contribuem com o desenvolvimento político, educacional, cultural, social e econômico". A organização apoiou a iniciativa que foi inserida na programação oficial do 17º Março é Mulher, o m aior evento alusivo ao feminino, na capital de Mato Grosso.

As dependências da AML transbordou de convidados e homenageadas. As diretoras do Portal Rosa Choque Mariza Bazo e Sueli Batista, que é membro da AML, estiveram dentre as 300 homenageadas, pelo protagonismo de criar um jornal feminino e inserir o mesmo o primeiro jornal a entrar na internet em Mato Grosso. O jornal deu voz para várias mulheres e histórias de protagonismos, muitas homenageadas no evento. 

"Reconhecemos também que o processo de contabilização e registro histórico de tantas mulheres nos levou a perceber a superação de tantas que inseridas em desmedida vulnerabilidade, alcançam espaços incrivelmente representativos e sedimentaram horizontes a tantas, outras,  nos passos posteriores seguidos", disse Amini, citando alguns exemplos, como o de Carmelita da Silva Couto, nascida em 1908, que mesmo sem a possibilidade de andar, titoru sustento inicialmente  vendendo doces e quitutes, e se tornou uma das acionistas do Hospital Santa Helena. Citou ainda, personalidade feminina do século 19, Maria Elvira Richi, nascida em 1872, e que sobreviveu a diversos preconceitos por ser negra e mulher, mas resistiu a todos eles. Superando e conquistando espaços a custos diversos socialmente.

Amini confessou que foi um trabalho "desmedido", mesmo porque foi feito paralelamente com a coordenação de ações de parcerias, firmadas com diversos setores: Governo do Estado Tribunal de Justiça, Fundação Escola Superior do Ministério Público,MP-MT, BPW Cuiabá-MT , Portal Rosa Choque ,  La Marc interiores, UNEMAT e UFMT. Amini feza questão de nomear quem a ajudou no trabalho e que integrou a Comissão de Pesquisa Levantamento de Documentos e Visitas Públicas aos Arquivos Públicos e Espaço Memória dos órgãos públicos: Ariane Robeiro Lima, Isabela Curvo Mello Carlini, Juliana Almeida Real, Paulo Roberto Rocha da Silva Júnior, Adnei Moreira Martins de Barros;da Comissão de Catalogação, ela citou: Ana Claudia Amori,, Danielle Louise Padilha e Silva Gallio, Francisca de Paula da Silva Bezerra, Kátia Simone Araújo Silva, LUizangela Ramos Lino, Marilena Rudy e Miranda Spinola. Amini citou ainda informes sociais oficiais  qualificados de pesquisa, através dos seguintes estudiosos: Yasmin Nadaf, Neila Barreto, Elizabeth Madureira Soqueira,Francisco das Chagas Rocha. 

Citou ainda a professora da Faculdade de Direito da UFMT e advogada, Dulcely Silva Franco, por informes qualificados de reitorias de universidades, e os seguintes instituiçõess pelos informes externos de órgãos cadastrais: CRM- Conselho Regional de Medicina; CREA- Conselho Profissional de Engenharia e Agronomia, CRE- Conselho Regional de Infermagem, e OAB- Secção Mato Grosso.

Foi uma noite alegre e festiva, que contou com a apresentação no salão nobre de expressivas vozes femininas: a jovem Aurea Maria, Deise Águena e Vera Capilé.  Na parte externa ocorreu ainda participação delas e de  Estela Ceregatti, ícones como a dupla Vera e Zuleika tiveram composições exaltadas, assim como a ex-primeira dama Maria Ligia Borges Garcia, que com mais de 90 anos, teve um momento ímpar a presenciar, com reconhecimentos de seu trabalho na música e nas falas das autoridades, a exemplo do prefeito Emanuel Pinheiro.

Todos os dados catalogados, segundo informou Amini, fará parte de um Glossário Público, para fins de pesquisas e fontes de informes. Destacou que o mesmo será publicado ao final deste ano, em fechamento comemorativo dos 300 anos de Cuiabá, e será editado em nível nacional. "A mostra 300 Mulheres: Letras, História e Equidade traz a público algumas das representações femininas mais envolvidas na construção de uma sociedade plural, comprometida com os valores do desenvolvimento humano, social, educacional, científico, artístico, de empreendedorismo e de todos outros que norteiam setores comunitários", salientou.

Veja no link um pouco mais sobre Amini Haddad 

http://www.portalrosachoque.com.br/noticias/7645/300-mulheres-que-fizeram-historia-em-cuiaba-hoje-serao-reverenciadas/

Deixamos o registro da poesia declamada pela atriz, produtora e agitadora cultural Lúcia Palma, que trouxe a palavra de Marilza Ribeiro, uma poetisa e líder de movimentos de mulheres. Todas foram reconhecidas.

Mulher Cuiabana – A caminhada da jornada da vida

Marilza Ribeiro (Escrito especialmente para 300 mulheres)

De onde sou? – Sou a MULHER CUIABANA!

Gerada pelas vozes errantes que atravessam os tempos...

Nas pegadas de antes das mães, mães das nossas mães!

Nascida numa região aurífera do passado

Esta cidade-mulher,

Brotada das fontes, dos rios, das rochas,

Das raízes, das florestas e cerrados

E do Sopro Sagrado da grande PACHAMAMA, deusa dos picos dos Andes.

Eu sou a mulher do CORAÇÃO DA AMÉRICA!

Que o Mal. Rondon chamou de

GEODÉSICO DA AMÉRICA DO SUL!

Sou a mulher destemida, que

Com meu corpo e minhas mãos, que se movimentam,

matrizes dos Ofícios da CriaçãoQue gera, para o mundo, não só os rebentos da carne,

Mas tantos outros, que nascem de nossas mãos,

Compondo o Universo dos produtos desta terra...

Vai tecendo as teias da vida.

Em cada estrada, rua, praça e os recantos do nosso chão.

Pelas bordas de cada acontecer, da história cuiabana,

Estão nossas marcas: filhas de índios, de negros, de imigrantes,

Que pelo trabalho, construíram nossas riquezas,

Ao nosso lado, juntamente com nossas pegadas,

Nosso suor, nosso sangue, lágrimas e rizadas!

Nossas lutas, nossos cantos e danças

Que renovam as festas e a vida!

Nas redes trançadas pelas mãos da índias, das sea Ditas,

Dona Filó, guardam em si os cânticos

Que embalaram sempre o sonho das crianças e dos homens...

Nas danças do siriri movemos nossas gingas...

Nas ondas dos ritmos e melodias

Criadas pelos nossos antepassados.

CAMINHANTE DA JORNADA DA VIDA

Que somos, rompemos barreiras...

Atravessamos os desafios

Que nossas avós e mães alimentaram em nossa alma,

Na vitória contra os medos.

Pelos ofícios de adoçar as bocas e os apetites

Com nossos saborosos quitutes e sobremesas

Mexendo as colheres em tachos enormes,

Ao calor do fogo,

Onde as misturas com os frutos da natureza,

O mel, nosso suor e talento,

Provocam suspiros nos dias de festa.

SOU A MULHER CUIABANA!

A sábia, guardiã dos segredos das ervas,

Guerreira que luta,

A dona dos chamegos...

E a avó que faz os netos adormecerem

Na cantiga e nos contos.

Pelas ruas, becos e estradas,

Ando com minha coragem,

Trazendo em minha alma

A sabedoria dos orixás, da Janaína, da Iara,

Das deusas das águas,

-Deusas Africanas, indígenas e das Santas das Terras Sagradas!

Que abençoam e protegem a tantas mulheres:

Lavradoras, redeiras costureiras, bordadeiras, lavadeiras,

Vendedoras, Professoras, que a cada dia constroem a vida!

As mensageiras do Passado: indígenas, escravas, operárias,

das terras árabes, européias, asiáticas, americanas –

que se juntam às nossas vozes contra os homens-feras,

Que nos exploram, dominam, espancam e matam.

Há que resistir contra a intolerância,

O racismo e o ódio que tentam destruir a Mulher,

Nestes tempos das máquinas e das cobiças!

MULHER CUIABANA

Feitas do barro deste chão, do cântico dos pássaros

Das ventanias que atravessam montanhas, rios e matas

Para tecer em nossos corpos a energia e as vozes

Das valentes heroínas, anônimas ou conhecidas

Que escreveram e escrevem

A corajosa e Sagrada História da Vida Humana,

Nesta terra dos mangueirais, dos cajueiros

E das auroras multicores!

É a valente mulher cuiabana

300 mulheres e muito mais.

Cobertura: Carla Nunes, colunista de eventos, com fotografias de Marcos Martins e Osmar Cabral Jr